Estes são os dez oradores a não perder no terceiro dia do Web Summit

De Vestager à Sophia, passando pelo criador da Calm e pelo líder do Pinterest, o ECO selecionou as dez vozes que não pode deixar de ouvir esta quarta-feira.

Web Summit continua até quinta-feira.Web Summit

Bit a bit transforma a tecnologia o mundo… e para que não perca nenhum desses momentos revolucionários, o melhor é manter os olhos (e ouvidos) bem abertos às vozes que estão a passar, por este dias, pelo Web Summit. Sente-se perdido no meio do longo programa da feira de Paddy Cosgrave? Não se preocupe. O ECO passou a lista a pente fino e selecionou os dez oradores que não pode perder, neste terceiro dia.

Dizemos-lhes de quem são essas vozes imperdíveis, que temas trazem aos palcos da maior feira de tecnologia do mundo e quando o fazem para que não perca nenhum dos sinais da chegada do “admirável mundo novo” anunciado, na edição passada, pelo ilustre físico Stephen Hawking.

Como será o motor de busca do futuro?

Quem? Ben Silbermann, cofundador e CEO do Pinterest.

Quando? Às 10h30, no palco principal.

O quê e porquê? Depois dos bons-dias de Paddy Cosgrave, o palco principal do Web Summit acolhe a talk intitulada “Is the future of search visual?” (o futuro da pesquisa é visual?, numa tradução literal). Ben Silbermann vai explicar a sua posição sobre o uso dos motores de busca a partir de imagens, o que é especialmente interessante face à natureza esmagadoramente visual da sua própria plataforma. A propósito, Silbermann vai revelar como este tipo de soluções tecnológicas está a transformar o modo como os internautas colhem inspiração e ideias novas no Pinterest.

São estes os pilares de uma economia digital mais justa

Quem? Margrethe Vestager, comissária europeia da Concorrência.

Quando? Às 11h55, no palco central.

O quê e porquê? No ano em que a Comissão Europeia aplicou uma multa histórica à Google, Vestager regressa ao Web Summit para falar sobre a construção de uma “economia digital mais justa”. Recorde-se que Bruxelas aplicou uma multa de 4,34 mil milhões de euros à Google, por práticas de concorrência desleal no sistema operativo Android. A gigante recorreu da decisão.

Quando vão os robôs controlar o mundo?

Quem? Robô Sophia, da Hanson Robotics.

Quando? Às 14h00, no palco principal.

O quê e porquê? Depois de ter anunciado que os robôs irão roubar os empregos aos humanos, a humanoide Sophia volta ao palco principal do Web Summit. Desta vez, a sua intervenção tem ponto de partida a seguinte pergunta: Quanto tempo falta até que os robôs controlem o mundo? Recorde-se que a Sophia foi a primeira robô do mundo a conquistar cidadania. Este ano, vem ao Web Summit acompanhada pelo robô Han.

Que vulnerabilidades têm as casas inteligentes?

Quem? Garry Kasparov.

Quando? Às 14h10, no palco Binate.io.

O quê e porquê? Conhecido por ter sido o primeiro campeão mundial de xadrez a defrontar um computador, Garry Kasparov marca presença, mais uma vez, na maior feira de tecnologia do mundo. Desta vez, no palco Binate.io e enquanto embaixador da Avast, o jogador irá discutir as potencialidades e vulnerabilidades da Internet das Coisas. Kasparov vai também recordar o seu famoso jogo contra o supercomputador da IBM e usar essas memórias para comentar os perigos das chamadas casas inteligentes.

Segundo unicórnio português explica o futuro do software

Quem? Paulo Rosado, CEO da OutSystems.

Quando? Às 14h05, no palco SaaS Monster.

O quê e porquê? No ano em que a OutSystems se consagrou o segundo unicórnio português, o seu CEO vai ao Web Summit discutir como a Inteligência Artificial irá “descodificar o software para todos”. A OutSystems é uma empresa que desenvolve soluções para desenvolvimento e manutenção de aplicações de forma mais rápida.

Como se pode inovação a velocidade? AWS responde

Quem? Adrian Cockcroft, vice-presidente da estratégia de arquitetura da cloud da Amazon Web Services.

Quando? 15h25, no palco SaaS Monster.

O quê e porquê? Hora e meia depois de Paulo Rosado, será a vez de Adrian Cockcroft da Amazon Web Services (AWS) subir ao mesmo palco. A intervenção do responsável tem como título “Innovating at speed: AWS and Formula 1” (“Inovando a velocidade: AWS e a Fórmula 1, numa tradução livre). A Fórmula 1 é um desporto largamente baseado em dados: por corrida, os cerca de 120 sensores de cada carro geram 3 GB de dados, que podem (e estão a) ser usados para alimentar mecanismos de aprendizagem automática que potencializam o desempenho dos pilotos. Recorde-se que a AWS anunciou, em setembro, a abertura do seu primeiro escritório por terras lusitanas, de modo a dar apoio à crescente base de clientes em Portugal.

O papel da meditação no sucesso do empreendedorismo

Quem? Alex Tew, cofundador e co-CEO da Calm.

Quando? Às 14h55, no palco Startup University.

O quê e porquê? O cofundador da popular app de meditação Calm veio a Lisboa e trouxe na bagagem um dos temas mais relevantes da conferência: o burnout. Alew Tew criou a Calm em 2012 depois de ter fundado a clássica “The Million Dolar Page”, uma página que pretendia arrecadar dinheiro para a formação universitária de Tew. Numa altura em que a pressão sentida sobre os empreendedores de nível C está mais elevada do que nunca, a saúde mental é um dos temas de discussão mais quentes deste universo. Até Horta Osório já cortou uma fatia desse bolo conversacional.

O futuro da moda também marca presença

Quem? Alexander Wang.

Quando? Às 14h20, no palco principal.

O quê e porquê? O fashion designer norte-americano Alexander Wang também anda, por estes dias, em Lisboa. Esta quarta-feira, pode ouvi-lo no palco principal, às 14h20, sobre a experiência dos utilizadores, no mundo da moda. Wang é conhecido pelo seu estilo urbano e por ter assumido a direção da casa Balenciaga entre 2012 e 2015. Além disso, o norte-americano tem apostado em soluções inovadores de produção e exposição das suas peças e é isso que o traz ao Web Summit.

Haverá paz para os humanos, na era dos ciberataques?

Quem? Brad Smith, presidente da Microsoft Corporation.

Quando? Às 16h25, no palco principal.

O quê e porquê? Na era dos ciberataques, a paz é cada vez mais um bem valioso. É essa a questão que traz Brad Smith, da Microsoft, ao palco principal do Web Summit, esta quarta-feira. Smith é o diretor jurídico da gigante fundada por Bill Gates e presidente da Microsoft Corporation. Depois de ter defendido a empresa em processos milionários com múltiplos empresas europeias, o norte-americano vem discutir como os Governos e as companhias se podem proteger desses ataques, muitas vezes levados a cabos por países (como, por exemplo, a Rússia).

As trotinetes estão a conquistar o mundo

Quem? Caen Contee, vice-presidente para a expansão internacional da Lime.

Quando? Às 14h30, no palco Auto/Tech & TalkRobot.

O quê e porquê? Poucos mais de um mês depois de ter chegado a Lisboa, a Lime marca presença no Web Summit. Caen Contee, vice-presidente para a expansão internacional da empresa norte-americana, vai debater as possibilidade de regulação dos transportes partilhados no palco Auto/Tech. À semelhança do que aconteceu na capital portuguesa, a Lime tem adotado o seguinte modelo na sua expansão: primeiro fecha alianças com os municípios e só depois lança o seu serviço de scooters elétricas. Mas será esse o sistema do futuro? Contee vai tentar responder.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Estes são os dez oradores a não perder no terceiro dia do Web Summit

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião