Ministério Público pediu esclarecimentos à Câmara de Lisboa sobre requalificação de Entrecampos

  • Lusa
  • 8 Novembro 2018

A câmara de Lisboa recebeu uma carta do Ministério Público com pedidos de informação relativamente à Operação Integrada de Entrecampos, confirmou Fernando Medina.

O Ministério Público enviou uma carta à Câmara Municipal de Lisboa, onde pede esclarecimentos ao município relativamente à Operação Integrada de Entrecampos, anunciou esta quinta-feira o presidente, Fernando Medina, apontando que decorrem das questões já colocadas pelo CDS-PP.

Na reunião pública da Câmara Municipal de Lisboa, que decorre esta manhã nos Paços do Concelho, Fernando Medina (PS) foi questionado pelo CDS-PP se teria recebido alguma “intimação, ofício, a propósito da hasta pública de Entrecampos”, e se ia dar conhecimento do conteúdo do documento aos restantes vereadores.

O presidente confirmou que a Câmara recebeu “ontem [quarta-feira], ao final da tarde”, uma “carta do Ministério Público, junto do Tribunal Central Administrativo, com pedidos de informação relativamente à Operação Integrada de Entrecampos, referindo expressamente a questões colocadas pelo CDS”.

“Isto é, o que o Ministério Público vem colocar são as questões que o CDS colocou, do ponto de vista das suas dúvidas sobre a operação de Entrecampos, e a Câmara naturalmente vai dar resposta a essas questões ainda durante o dia de hoje, e prestará todos os esclarecimentos que forem necessários para o esclarecimento de tudo quanto lhe é colocado”, afirmou o líder do executivo.

Segundo Medina, este foi “um pedido de informação que é normal, que decorre obrigatório daquilo que o CDS decidiu fazer, que foi questionar os vários instrumentos da operação”.

Já o vereador centrista João Gonçalves Pereira, que levantou a questão no período antes da ordem do dia da reunião, não concorda com esta teoria.

“Se há dúvidas e questões que agora o próprio Ministério Público vem levantar à câmara, é porque não serão dúvidas assim tão descabidas. Se fossem descabidas, como é evidente, qualquer procurador responsável o que fazia era arquivar, percebendo que não havia qualquer substância ou qualquer matéria”, advogou.

Em resposta, Fernando Medina garantiu que vai “responder com toda a diligência” às questões colocadas, e que “dará conhecimento público à Câmara e à Assembleia Municipal”.

O autarca apontou também que este processo foi gerado por uma “irresponsabilidade na gestão da cidade”, pela mão do então presidente Carmona Rodrigues, e que o CDS mudou de opinião sobre estes terrenos “para tentar compensar os problemas da sua líder relativamente à habitação”, acusando o partido de “oportunismo político”.

Sobre isto, Gonçalves Pereira reiterou à Lusa que “o CDS continua a defender habitação em detrimento dos serviços”, apontando que a “opção da Câmara é errada numa cidade que tem carências de habitação”.

Em meados de outubro, os vereadores do CDS-PP apresentaram, junto da Procuradoria-Geral da República, um pedido de sindicância sobre o projeto de requalificação que envolve os terrenos da antiga Feira Popular, e que foi batizado pela câmara como Operação Integrada de Entrecampos, alegando que a edificabilidade do projeto contraria a lei.

“Particularmente em causa está o modelo de loteamento adotado”, apontavam os vereadores do CDS-PP, alegando que “o índice de edificabilidade só pode ser aplicado às parcelas a lotear e não, como pretende o executivo socialista da Câmara de Lisboa, ao domínio público circundante”.

Sobre esta iniciativa, o presidente da Câmara de Lisboa apontou hoje ser um comportamento que “mais tarde” iria “adjetivar da forma própria”.

Por esclarecer, ficou a questão se este pedido de esclarecimentos iria ter alguma implicação no leilão dos terrenos da antiga Feira Popular, na segunda-feira, mas à Lusa o vereador João Gonçalves Pereira mostrou-se “preocupado com as consequências que isto pode vir a ter para o município”.

Se a operação vier a ser anulada, isso pode implicar futuras indemnizações àqueles a quem foram criadas expectativas”, considerou o autarca.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público pediu esclarecimentos à Câmara de Lisboa sobre requalificação de Entrecampos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião