PGR considera ilegal greve do Serviço de Registos

Depois de o Sindicato Nacional de Registos decretar uma greve ao longo de três meses, até ao fim do ano, a PGR emite um comunicado onde considera o protesto ilegal.

Depois de o Sindicato Nacional dos Registos (SNR) ter decretado greve até ao final do ano — entre 1 de outubro e 31 de dezembro –, a Procuradoria-Geral da República (PGR) emitiu um parecer onde considera o protesto ilícito, por não reunir “os requisitos essenciais das ações de greve juridicamente reconhecidas”.

O parecer foi pedido pelo próprio Ministério da Justiça, no dia 3 de outubro, no sentido “de esclarecer as dúvidas suscitadas quanto à licitude da greve”, segundo comunicado enviado às redações.

Durante os três meses em que a greve foi decretada, a ocorrer nos serviços do Instituto dos Registos e Notariado (IRN), caberia “a cada trabalhador decidir qual ou quais os dias em que exerceria o seu direito à greve”, segundo a nota da UGT, sindicato do SNR. Em causa para o protesto estão questões como o sistema remuneratório, a revisão das carreiras e a lei orgânica.

Em resposta ao solicitado, a PGR emitiu um parecer, a 25 de outubro, onde considera que a ação de protesto, denominada como “greve self-service”, não corresponde a um exercício conjunto e comparticipado por não ser uma ação concertada por parte de todos os trabalhadores — um requisito essencial para a greve ser juridicamente reconhecida.

O parecer menciona ainda, como segunda razão, que a comunicação do sindicato à imprensa “revelou que o aviso prévio emitido omitia informação relevante sobre o modo como a greve se iria desenrolar”.

“O Governo reconhece, como sempre reconheceu, o legítimo direito à greve dos trabalhadores tal como consagrado na Constituição e reitera a inteira disponibilidade para continuar o diálogo com todas as estruturas sindicais, com o mesmo empenho, respeito e preocupação que sempre demonstrou para com os trabalhadores do IRN”, conclui o comunicado do Ministério da Justiça.

No comunicado sobre a greve, o SNR dizia sentir-se “enganado por diversas vezes com falsas promessas da vontade da tutela em fazer justiça ao atual sistema remuneratório, com a finalidade de esbater as assimetrias salariais injustas e unanimemente consideradas desajustadas à realidade dos serviços”.

Na mesma nota podia ler-se que, em reunião negocial sobre o novo sistema remuneratório dos conservadores, notários e oficiais dos registos, foi-lhes transmitido que é intenção do Ministério da Justiça manter “as abismais assimetrias salariais” que se verificam no setor, onde dizem existir 11 quadros do IRN a auferir vencimento superior ao Presidente da República.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PGR considera ilegal greve do Serviço de Registos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião