Joana Marques Vidal defende mandato único de nove anos para a PGR

Em entrevista à SIC/Expresso, a ex-PGR admite que a Constituição prevê que o mandato de líder do Ministério Público é renovável.

Joana Marques Vidal diz que a Constituição da República Portuguesa (CRP) prevê a possibilidade de renovação do mandato de titular da investigação criminal. E assume que nunca esteve em cima da mesa a sua recondução para um mandato de mais seis anos.

“Sejamos claros: atualmente a nossa CRP prevê a possibilidade de renovação de mandato”, diz Joana Marques Vidal, em entrevista à SIC/Expresso, exibida parcialmente esta sexta-feira. “Basta estudar e ver o que esteve na origem desta redação atual da norma constitucional”.

A agora ex-PGR admitiu que “seria saudável dar uma maior liberdade ao exercício de funções de PGR”, acrescentando que “seria mais razoável ser um mandato mais longo: de nove anos”. E sublinhou: “o princípio é o do mandato único, tal como o senhor Presidente e o senhor Primeiro-ministro o sublinharam”.

A ministra da Justiça Francisca Van Dunem defendeu, a 9 de janeiro, que o mandato da PGR é “longo e único”, sinalizando a não recondução de Joana Marques Vidal à frente do Ministério Público. António Costa garantia na altura que esta era uma opinião pessoal da ministra. Até finais de setembro, a recondução de Joana Marques Vidal foi sendo uma hipótese. “Eu soube que não iria haver renovação duas horas antes do anúncio”, disse a ex PGR. “E foi-me comunicado uma hora antes do nome da nova PGR ser divulgado, quem era essa nova Procuradora-Geral pela senhora ministra da Justiça”.

Questionada sobre se estaria disponível para fazer mais um mandato de seis anos, Joana Marques Vidal responde: “seria uma arrogância dizer que estava disponível sem ter sido colocada essa questão. Não, nunca fui sondada para ser reconduzida nem dei sinais que estaria disponível”.

“Não me senti muito bem perante este cenário porque me senti num jogo no qual eu era totalmente alheia”, perante o cenário da sua recondução ou não no cargo. “A comunidade portuguesa compreendeu a importância que o MP tem na Justiça, mas estaria mais confortável se tivesse sido noutros moldes e não centrada na questão do nome”.

Ainda há dias, no Grémio Literário, a então ainda PGR admitiu que a audição pública no Parlamento da pessoa indicada para PGR poderia dar “uma maior transparência” ao processo de nomeação da figura máxima do Ministério Público.

Joana Marques Vidal foi substituída hoje no cargo por Lucília Gago que tomou hoje posse, no Palácio de Belém. “Tive uma conversa cordial com a minha sucessora mas não lhe disse qual seria o maior desafio”.

Sobre os elogios tecidos à sua pessoa, Joana Marques Vidal assume que ficou satisfeita “pelo senhor primeiro-ministro estar tão preocupado com a minha felicidade”. “Fiz o máximo que consegui fazer. E houve coisas que ficaram para trás”, diz. No que toca aos elogios: “o poder é muito efémero e os elogios também. Acredito que alguns são sinceros mas outros não são. E sei que muita gente que ficou calada, que não elogiou nem disse mal, não perderá a hipótese de dizer mal”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Joana Marques Vidal defende mandato único de nove anos para a PGR

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião