Anunciantes reprovam acordo entre RTP, SIC e TVI com Gfk

Para os anunciantes, é lamentável que CAEM, uma instituição de autorregulação que "tem dado provas da sua utilidade", seja colocada em causa. 

Os anunciantes estão em rota de colisão com as três principais estações de televisão portuguesas. Perante o acordo estabelecido à margem da Comissão de Análise de Estudos de Meios (CAEM), entre as televisões RTP, SIC e TVI com a Gfk — para que a empresa continue a medir as audiências televisivas por mais um ano — a Associação Portuguesa de Anunciantes (APAN) diz-se surpreendida e lamenta a decisão.

Para a APAN, o acordo “materializa o rompimento unilateral por parte dos operadores televisivos em sinal aberto do consenso entre os principais stakeholders do mercado, mantido desde há oito anos no seio da CAEM”, pode ler-se no comunicado.

O acordo “permitiu o estabelecimento de soluções técnicas merecedoras da confiança de todos os interessados, contribuindo para o desenvolvimento da atividade publicitária e facilitando o financiamento da atividade televisiva”. Por esse motivo, os anunciantes não aceitam e lamentam que a CAEM, uma instituição de autorregulação que “tem dado provas da sua utilidade”, seja colocada em causa.

Manuela Botelho, secretária-geral da APAN, afirma que a associação “foi sempre intransigente na defesa de um modelo de medição de audiências fiável e transparente, adaptado aos novos desenvolvimentos tecnológicos, já que eles são incontornáveis para planear e aferir os resultados dos investimentos feitos na promoção de produtos e serviços”.

A RTP, SIC e TVI anunciaram na semana passada o acordo com GfK, de forma de garantir a estabilidade no mercado. Na altura, num comunicado conjunto, as três televisões generalistas “reiteram a importância da existência de um serviço de medição de audiências televisivas que seja transparente, fiável e independente”.

Esta decisão surgiu na sequência do fim, no próximo dia 31 de dezembro, do contrato de prestação de serviços de medição de audiências celebrado entre a CAEM e tendo em conta que não havia “um entendimento relativamente à renovação ou prorrogação do mesmo”, entre as partes.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Anunciantes reprovam acordo entre RTP, SIC e TVI com Gfk

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião