“No grupo parlamentar do PS, a partilha de passwords não é “prática generalizada””, diz vice da bancada

  • ECO
  • 10 Novembro 2018

Caso da password partilhada entre deputados do PSD leva vice da bancada socialista a garantir que no PS não é assim. Ferro explica que o que é preciso é "banir" comportamentos com o de Silvano.

A polémica em torno da partilha de passwords no Parlamento entre os deputados do PS José Silvano e Emília Cerqueira levou o vice-presidente da bancada socialista Filipe Neto Brandão a garantir que na bancada do PS “a partilha de passwords não é “prática generalizada””. Em declarações ao Expresso, o presidente da Assembleia da República rejeita que seja preciso mudar as regras de registo de presenças e defende que é preciso “banir” procedimentos que lesam a credibilidade da democracia.

Na sexta-feira, a deputada do PSD Emília Cerqueira admitiu que tinha registado a presença de José Silvano nos dias 18 e 24 de outubro, quando o deputado não esteve nas sessões parlamentares, mas “inadvertidamente”. A deputada assumiu também que “não tem nada de mal” partilhar a password e sinalizou esta ser uma prática comum.

Na sua página do Facebook, o vice-residente da bancada socialista Filipe Neto Brandão escreveu esta manhã que “no Parlamento, como na vida, cada um responde pelo seu comportamento individual, mas posso assegurar que, pelo menos no Grupo Parlamentar do PS – grupo parlamentar que integro -, a partilha de passwords não é “prática generalizada”. A título pessoal, entendo dever deixar bem claro que jamais dei a conhecer a minha password a quem quer que seja, do mesmo modo que não conheço a password de mais ninguém”.

O deputado socialista acrescenta até que “aquando da receção aos parlamentares eleitos, os serviços da AR elucidam individualmente cada eleito sobre o modo de utilização da rede informática. Não há, assim, deputado algum no parlamento português que ignore que o registo da sua presença no plenário é feito através do login em qualquer um dos computadores que se encontram na sala do plenário – e só nesses – e que a introdução desse mesmo login em qualquer outro computador localizado fora dessa sala já não tem a virtualidade de registar aquela presença”.

Também o presidente do Parlamento tomou uma posição sobre o assunto. “O que há a banir são procedimentos lesivos da credibilidade de qualquer deputado, dos grupos parlamentares e, consequentemente, da democracia representativa”, disse em declarações ao Expresso (acesso condicionado).

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“No grupo parlamentar do PS, a partilha de passwords não é “prática generalizada””, diz vice da bancada

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião