Preço dos serviços postais sobe abaixo da inflação até 2020

De acordo com a decisão da Anacom, nos próximos dois anos os preços vão evoluir abaixo da inflação. A variação não poderá ser superior ao valor da inflação deduzido de 0,25 pontos.

Nos próximos dois anos, os preços dos serviços postais vão subir, mas de forma controlada. Os preços só poderão evoluir até ao valor da inflação deduzido de 0,25 pontos percentuais, anunciou a Anacom esta terça-feira. Para além disso, também o preço do selo do correio normal até 20 gramas vai estar incluído nesta variação.

“De acordo com a decisão do regulador, adotada na sequência de um processo de consulta pública e audiência prévia, os preços nos próximos dois anos evoluirão abaixo da inflação, uma vez que a variação não poderá ser superior ao valor da inflação deduzido de 0,25 pontos percentuais”, refere o comunicado da Anacom.

A Anacom, a quem cabe “fixar os critérios a que deve obedecer a formação dos preços dos serviços postais que compõem o serviço universal”, revela que para a fixação da variação máxima dos preços aprovou “a metodologia de previsão de tráfego do cabaz de serviços não reservados para o triénio 2018-2020 (correspondências, jornais e encomendas)”.

Além desta metodologia, a Anacom recorda que aprovou recentemente os indicadores de qualidade de serviços que os CTT terão de cumprir nos próximos dois anos enquanto prestador do serviço social postal universal. Impôs indicadores mais exigentes com o objetivo de melhorar a qualidade do serviço e a satisfação dos utilizadores. Uma decisão que foi contestada pelos CTT, empresa que já avançou para tribunal.

Mais recentemente, aprovou ainda um conjunto de alterações ao sistema de medição dos indicadores de qualidade do serviço, de forma a torná-lo mais robusto. A Anacom auditou os indicadores de qualidade de serviço dos CTT nos últimos dois anos e concluiu que os procedimentos usados corriam o risco de não refletir a qualidade real oferecida aos utilizadores.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Preço dos serviços postais sobe abaixo da inflação até 2020

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião