Académicos, papeleiras e autarquias assinam manifesto em defesa do eucalipto

Mais de uma centena de personalidades, entre académicos, empresas do setor papeleiro, produtores florestais e antigos governantes, criticam a "diabolização" que está a ser feita contra o eucalipto.

O ataque injustificado que se tem vindo a fazer contra o eucalipto não tem adesão aos factos nem sustentação académica ou científica“. É desta forma que mais de 100 personalidades, entre professores e investigadores universitários, empresas do setor papeleiro, produtores florestais, autarquias e antigos governantes, fazem a defesa desta espécie florestal, apelando à “certificação da gestão florestal, sob escrutínio de reconhecidas entidades internacionais”.

Num manifesto publicado esta terça-feira na imprensa nacional, intitulado “Manifesto por uma Floresta não Discriminada: Duas páginas de factos sobre a floresta que vale a pena ler” e assinado por 110 personalidades, é feita a defesa do “combate às verdadeiras causas” do “drama dos incêndios florestais”.

“Os signatários têm vindo a assistir, com grande preocupação, à multiplicação em diferentes meios de alusões pouco rigorosas, ou mesmo manifestamente incorretas, sobre a gestão da floresta e as causas dos incêndios em Portugal”, começa por referir o documento. Para estas personalidades, “as verdadeiras causas dos incêndios estão essencialmente na excessiva carga de biomassa no terreno, em resultado do reduzidíssimo nível de gestão da floresta e do excesso de matos e de incultos no território português“.

Os factos, dizem, “ajudam bastante e falam por si”. De acordo com os dados do Instituto da Conservação da Natureza e Florestas (ICNF), a área ardida em Portugal entre 2003 e 2017 distribui-se da seguinte forma:

  • Matos e incultos: 44%
  • Pinheiro-bravo: 18%
  • Eucalipto: 17%
  • Outras ocupações: 21%

“Como se verifica, mais de 80% da área ardida em Portugal não é eucalipto“, referem, completando o manifesto com excertos do relatório feito pela Comissão Técnica Independente que foi criada para analisar os incêndios de Pedrógão Grande e de Góis. “A mera substituição do eucalipto, e o mesmo seria válido para o pinheiro bravo, por espécies tidas como mais resistentes à propagação do fogo, como o sobreiro, medronheiro e carvalhos, traria resultados modestos de diminuição da área ardida em caso de existência de um estrato arbustivo relevante nos povoamentos”, pode ler-se nesse relatório.

Para sustentar o mesmo argumento, os signatários citam ainda excertos de um relatório da World Wide Fund for Nature (organização não governamental que promover a conservação, investigação e recuperação ambiental) que aponta que “no sul da Europa, os efeitos cumulativos do aquecimento global, o despovoamento rural e abandono dos usos da terra, a falta de gestão florestal, o modelo de planeamento urbano caótico e uma cultura do fogo errada e profundamente enraizada criaram as condições perfeitas para os grandes incêndios”. O mesmo relatório aponta que “a inflamabilidade de uma massa florestal não depende da espécie, mas da sua estrutura, isto é, da quantidade e forma como a biomassa disponível é organizada” e que, por isso mesmo, “o debate não pode continuar no eucalipto sim ou não”.

Os signatários defendem, assim, que “diabolizando-se a única espécie florestal com retorno para o produtor num prazo de 10 a 15 anos, contribui-se para a redução do rendimento das várias centenas de milhar de pequenos proprietários, produtores florestais e empresas prestadoras e serviços, concorrendo para o abandono da floresta cuidada e para o aumento descontrolado das áreas de matos e incultos (que representam a maior parte da área ardida em Portugal)”.

Esta “onda de demagogia”, acrescentam, “ameaça pôr em risco a médio prazo fileiras silvo-industriais com enorme importância para o emprego, para o ambiente e para a economia nacional”. Em causa, detalham, estará 2% do PIB e 9% das exportações do país, bem como 100 empregos diretos e indiretos e mais de 400 mil proprietários florestais.

Neste contexto, pedem “a certificação da gestão florestal, sob escrutínio de reconhecidas entidades internacionais, no sentido de estender as boas práticas de gestão, sustentáveis, a toda a floresta“, mostrando-se “disponíveis para participar no debate que permita aprofundar o conhecimento de todos os temas que respeitam à floresta nacional”.

Entre as 110 personalidades que assinam o manifesto, estão empresas como as papeleiras Navigator Company e a Altri, que têm no eucalipto a principal matéria-prima, para além de várias associações de produtores florestais. Mas estão também 36 académicos de várias universidades, bem como as câmaras municipais de Albergaria-a-Velha, Aveiro, Estarreja, Figueira da Foz, Mortágua, Proença-a-Nova, Setúbal, Vila Velha de Ródão e ainda Vasco Estrela, presidente da Câmara Municipal de Mação, em nome próprio.

Comentários ({{ total }})

Académicos, papeleiras e autarquias assinam manifesto em defesa do eucalipto

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião