“O país não reconhece a importância do 25 de novembro”

A Iniciativa Liberal vai promover este domingo no Porto uma "festa da liberdade", para celebrar o 25 de novembro. Carlos Guimarães Pinto afirma ao ECO que a data não é devidamente reconhecida.

A Iniciativa Liberal vai promover este domingo, no Porto, um encontro para “celebrar a liberdade e a democracia”. O objetivo é assinalar os 43 anos do 25 de novembro, que o partido liderado pelo economista Carlos Guimarães Pinto classifica de festa de liberdade. Vai ser no Jardim da Cordoaria, a partir das 15 horas.

Sem complexos, Guimarães Pinto responde ao ECO, por escrito, que a celebração do 25 de novembro tem por objetivo celebrar uma data que é “negligenciada nas narrativas oficiais”. O país, definitivamente, não reconhece de forma devida esta data. E não a reconhece porque convém manter a narrativa política de que no período 1974-75 nos livramos apenas de uma ditadura”. Rejeita a ideia de necessidade de um novo 25 de novembro em Portugal — “seria fácil hiperbolizar a situação atual” –, mas acrescenta que, por exemplo nas áreas económicas, o país perdeu liberdade.

Porque é que decidiram celebrar o 25 de novembro?

A decisão de celebrar o 25 de novembro, tomada pela anterior direção e que eu apoiei entusiasticamente, foi tomada como forma de agradecer a todos aqueles que lutaram pela liberdade e democracia e cujo papel é, injustamente, negligenciado nas narrativas oficiais. É importante também passar estas mensagens aos mais jovens que estão já suficientemente afastados dos acontecimentos para aceitarem de forma acrítica as narrativas oficiais.

O país não reconhece a importância da data?

O país, definitivamente, não reconhece de forma devida a importância esta data. E não a reconhece porque convém manter a narrativa política de que no período 1974-75 nos livramos apenas de uma ditadura. Em nome dos equilíbrios de regime que se instituíram no período pós-revolucionário, convém contar a história de que todos os revolucionários desejavam apenas a democracia. Isso, como o período a seguir ao 25 de abril comprovou, não é verdade. Uma parte dos revolucionários queria substituir uma ditadura por outra. Felizmente falharam, mas os equilíbrios políticos que se seguiram fizeram com que se esconda que tentaram.

Tendo em conta a avaliação que fazem do país, é necessário outro 25 de novembro?

Não. Seria muito fácil hiperbolizar a situação atual, mas a verdade é que, com todas as suas falhas de representatividade e de equilíbrio, temos uma democracia plural e a funcionar. Mas esta celebração também serve para mostrar que nem a liberdade nem a democracia são dados adquiridos. É uma luta constante e é muito fácil ir perdendo liberdades aos poucos. Na vertente económica, por exemplo, fomos perdendo liberdades. Ao ponto de alguns países que tiveram efetivamente uma ditadura comunista durante 40 anos terem, 30 anos depois de se livrarem desse regime, ultrapassado Portugal nos principais indicadores económicos. Ou seja, nós não tivemos uma ditadura comunista, mas fomos tendo comunismo diluído que nos fez perder liberdade económica de forma gradual, levando-nos ao mesmo ponto dos países que tiveram que levar com o comunismo durante mais de 40 anos. Não precisamos de um 25 de novembro, mas precisamos de uma luta gradual para recuperar liberdades perdidas e continuar atentos para que não se percam mais.

Assine o ECO Premium

No momento em que a informação é mais importante do que nunca, apoie o jornalismo independente e rigoroso.

De que forma? Assine o ECO Premium e tenha acesso a notícias exclusivas, à opinião que conta, às reportagens e especiais que mostram o outro lado da história e às newsletters ECO Insider e Novo Normal.

Esta assinatura é uma forma de apoiar o ECO e os seus jornalistas. A nossa contrapartida é o jornalismo independente, rigoroso e credível.

Comentários ({{ total }})

“O país não reconhece a importância do 25 de novembro”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião