Sete dicas para aproveitar melhor esta Cyber Monday

A Cyber Monday promete grandes descontos e promoções, mas só nas lojas online. O ECO reuniu um conjunto de sete dicas para aproveitar a euforia das compras com segurança.

A euforia das compras e das promoções continua esta segunda-feira, mas sem filas nem multidões. Depois da Black Friday da passada sexta-feira, a Cyber Monday está de volta e esperam-se descontos expressivos nos catálogos de muitas lojas portuguesas e estrangeiras… mas só na internet. Se ainda tem orçamento para gastar, ou se está à procura de um artigo que não encontrou em loja, esta é a oportunidade final para o procurar nos sites das principais marcas.

Ora, se nunca comprou online, ou já comprou e quer voltar a comprar, o ECO reuniu um conjunto de sete dicas que poderão ser úteis na hora de escolher um produto. Boas compras!

Escolha sites de confiança

Fazer compras em sites que não são de confiança acarreta sérios riscos, sobretudo na Cyber Monday, em que o apelo ao consumo é maior. Aposte, sobretudo, nas lojas virtuais que conhece e veja sempre se o site em que está é mesmo da marca que diz ser. Se alguma coisa lhe parecer suspeita, não arrisque. Se não conhecer uma determinada loja, mas está interessado num produto, procure feedback junto de amigos que já tenham feito compras nessa plataforma, ou pesquise o que se diz sobre ela em fóruns na internet, no Portal da Queixa e nas redes sociais. Além disso, para evitar que os seus dados caiam em mãos erradas, verifique se o URL do site começa com “https://”, o que indica que a ligação é segura e encriptada entre as partes.

Veja se é um bom negócio

Mesmo nas lojas de confiança vale a pena avaliar se um determinado produto é mesmo um bom negócio. De nada vale um desconto de 50% se o preço do produto aumentou para o dobro há duas semanas. Para tal, poderá aproveitar o simulador que a Deco criou para avaliar se um determinado artigo está, de facto, mais barato, ou se esse produto já foi mais barato noutra altura. Basta colar o link do produto para obter todas as informações necessárias e perceber se o desconto é real, ou se o preço já foi menor do que está agora.

Compare sempre os preços

Ainda na lógica da comparação de preços, antes de oficializar uma encomenda, procure sempre o mesmo artigo noutras lojas, pois podem existir preços ainda mais competitivos. A palavra-chave é “pesquisar”. Com paciência e método, poderá avaliar se o negócio é realmente bom e, depois, fazer a compra com a consciência tranquila de quem poupou algumas dezenas de euros.

Contra-reembolso? Experimente o MB Way

A generalidade das compras na internet é feita com recurso a contas no Pay Pal ou com cartão de crédito. Ora, para quem não tem cartão de crédito, é comum o recurso ao contra-reembolso, ou seja, o pagamento da compra é feito no ato de entrega do produto. Isto acarreta um custo acrescido que, na maioria dos casos, pode ser contornado com recurso a serviços como o MB Way. A técnica já é velhinha, mas se tem conta num banco português, adira ao serviço e instale a aplicação no seu telemóvel. Poderá, depois, gerar um cartão de crédito virtual Visa com o montante que quiser. Isto é útil, pois evita o pagamento do contra-reembolso. A técnica pode ser usada mesmo por quem tenha cartão de crédito, uma vez que aumenta a segurança da compra e não terá de partilhar os seus dados com uma loja que não conhece.

Atenção às comissões e impostos

Ao fazer compras em lojas estrangeiras, tenha atenção com as comissões e impostos cobrados para transações em divisas diferentes do euro. As compras online em moeda estrangeira, como o dólar, poderão implicar o pagamento de imposto de selo e comissões de processamento de transação ao banco. Estas comissões tendem a representar valores relativamente baixos, mas nunca é demais informar-se das condições junto do seu banco. Além disso, tenha atenção às mudanças cambiais, particularmente as valorizações das outras moedas, que podem tornar a sua compra mais cara em euros.

Cuidado com a retenção na alfândega

Se vai adquirir produtos caros, como grandes eletrodomésticos e televisões, procure optar por lojas portuguesas sempre que possível. Não é incomum surgirem queixas de clientes que acabam por ver as suas encomendas ficarem retidas na alfândega, com preços elevados de desalfandegamento no caso de compras de lojas fora da União Europeia. Nestes casos excecionais, os preços variam muito e dependem do produto importado.

Não esqueça os portes de envio

Por vezes, a euforia pelas compras é tanta que tendemos a esquecer alguns pormenores importantes. Para além da questão da alfândega e das comissões e impostos, como vimos, há que ter em conta os portes de envio que podem ser cobrados. Em alguns casos, estes valores são indicados diretamente na ficha do produto. Noutros casos, o valor só é apurado no momento de finalizar a compra. Algumas lojas oferecem os portes de envio para compras superiores a um determinado valor. Informe-se nos sites, faça as contas e veja se vale a pena aproveitar.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Sete dicas para aproveitar melhor esta Cyber Monday

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião