Compras na Cyber Monday animam Wall Street

As bolsas norte-americanas abriram no verde, recuperando da queda da última sessão. A contribuir para este cenário está o entusiasmo à volta da Cyber Monday e a subida do preço do petróleo.

As bolsas norte-americanas abriram a primeira sessão da semana em alta, recuperando das quedas da última sessão. A animar Wall Street estão as compras da Cyber Monday, com os investidores otimistas com as possíveis vendas alcançadas nesta temporada de descontos. Poderá ser o início de uma forte temporada de final de ano para os retalhistas. A impulsionar ainda mais esta sessão estão os preços do petróleo.

O índice de referência S&P 500 abriu a subir 0,66% para 2.649,97 pontos, numa abertura positiva que se alastrou aos restantes setores. O industrial Dow Jones sobe 0,32% para 24.364,13 pontos, assim como o tecnológico Nasdaq que valoriza 1,26% para 7.026,5 pontos.

Nesta sessão, a Cyber Monday está a deixar os investidores animados relativamente às compras dos consumidores. Os mercados esperam que esta segunda-feira seja um forte começo para a temporada de festas de final de ano dos retalhistas, avança a Reuters (conteúdo em inglês). A refletir este sentimento estão também as gigantes tecnológicas, com a Amazon a subir 2,1% para 1.533,67 dólares e o eBay a valorizar 0,88% para 28,69 dólares.

“Tivemos uma semana miserável em termos de mercados de ações e, por vezes, acontece uma forte recuperação, em que os mercados podem estar a recuperar um pouco com base nisso”, diz Randy Frederick, da Charles Schwab, citado pela agência de notícias.

A impulsionar mais as subidas do outro lado do Atlântico está a valorização dos preços do petróleo, depois de uma queda de quase 7% na última sessão. Isto acontece no dia em que a Arábia Saudita colocou no mercado um recorde de 11,2 milhões de barris por dia, de acordo com a Bloomberg. Além disso, o Goldman Sachs recomendou aos investidores investirem em matérias-primas no próximo ano. O barril de Brent está a valorizar 2,91% para 60,51 dólares enquanto o WTI está a subir 2,86% para 51,86 dólares.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Compras na Cyber Monday animam Wall Street

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião