O que é que a Suíça tem e Portugal não tem? Muitos comboios e chegam a horas

  • Guilherme Monteiro
  • 27 Novembro 2018

A ferrovia portuguesa está entre as piores da Europa. Na Suíça, a oferta é diferente e lidera o ranking entre 140 países.

Os sucessivos relatórios não deixam muita margem para dúvidas. Quando se trata da rede ferroviária, Portugal não sai propriamente bem na fotografia. De acordo com o ranking da competitividade do Fórum Económico Mundial, e considerando a “eficiência dos serviços ferroviários”, Portugal está na 23.º posição entre 140 países sendo, a Suíça, a primeira da lista. Numa escala de 1 a 7 neste indicador, Portugal obtém 4,6 pontos. Já a Suíça alcança a medalha de ouro, com 6,7 pontos.

“Normalmente chegam a horas. Se há problemas, tentam sempre ter um plano B através do transportes de autocarros”, explica Joana Vicente, emigrante portuguesa na Suíça, ao ECO. Utilizadora frequente dos comboios como transporte público, tanto na Suíça como em Portugal, Joana considera que o nosso país “tem cada vez menos oferta a nível de horários e número de comboios”.

A enfermeira, que viaja regularmente de comboio na linha do norte, entre Coimbra e o Porto, para depois apanhar o avião no aeroporto Francisco Sá Carneiro, aponta as diferenças ao longo dos anos e sublinha que, do ano passado para este, se sente a diminuição de oferta. “Muitas vezes apanho o metro e tenho que esperar uma hora pelo comboio”, afirma.

Se olharmos para os números da consultora Boston Consulting, que todos os anos mede o desempenho dos sistemas ferroviários europeus, confirma-se a discrepância entre Portugal e a Suíça.

Fonte: Boston Consulting Group.

Os números da Boston Consulting Group mostram que, em relação à “qualidade do serviço”, Portugal até supera a média europeia. Obtém 1,5 pontos, acima da média de 1,3 dos 25 países analisados. Já quando o indicador é a “segurança” ou “intensidade de utilização” da infraestrutura, a pontuação do país cai a pique. A falta de material circulante na CP e a escassez de recursos humanos podem ajudar a explicar a posição de Portugal neste ranking.

O jornal Público desta segunda-feira revelava que, nas últimas semanas, 60% do parque de automotoras chegou a estar imobilizado em oficinas, sublinhando a falta de recursos humanos na EMEF para as recuperar. A mesma notícia sublinhava que 40% da frota de carruagem dos intercidades esteve também sem ser usada. Todos os dias há comboios suprimidos no Algarve e, só na passada quarta-feira, foram nove contabilizados. Já no Oeste, quatro comboios não fizeram a viagem.

Num relatório da Infraestruturas de Portugal ‘O Estado da Infraestrutura de 2016’, divulgado em março deste ano pelo jornal Público, o organismo dá conta de que mais de metade das linhas de comboio estão em mau estado. Perto de 60% têm mesmo um índice de desempenho “medíocre” ou “mau”. O organismo destaca o troço da linha do norte entre Ovar e Gaia, numa extensão de 35 Km, como o mais preocupante. Para esta análise teve em conta o número de comboios que por dia passam nos mais diversos troços em mau estado, e também se os que passam são ou não de pesados de mercadorias.

Ainda assim, de acordo com os dados do Eurobarómetro, publicado em setembro, Portugal esteve entre os países europeus mais satisfeitos com o serviço ferroviário, em janeiro e fevereiro deste ano. Estes resultados surgem num contexto de forte contestação à CP e à supressão de horários que começou em janeiro e de greves agendadas para o início do ano. O índice de satisfação calculado com base em cerca de mil entrevistas telefónicas em cada um dos Estados-membros (exceto Chipre e Malta onde não foi feita a sondagem) revela que os austríacos são os mais satisfeitos (13,8 pontos), seguidos dos irlandeses (13,5) e dos portugueses e finlandeses, ambos com 13 pontos.

Governo promete maior investimento do último século para 2019

Os problemas nos comboios da CP arrastam-se há meses. No verão deste ano, as condições climáticas e do equipamento fez com que, durante a onda de calor, a empresa tenha sido obrigada a cancelar a venda de bilhetes devido a problemas no ar condicionado: um Alfa Pendular que fazia a ligação entre Lisboa e Braga chegou a registar, dentro das carruagens, 38ºC, temperaturas que levaram vários passageiros a apresentarem reclamações à DECO e a denunciarem a situação nas redes sociais.

Mas o problema não é o único: a supressão de comboios é outro. Em agosto a CP reformulou horários, o que passou pela redução da oferta, com menos comboios em praticamente todas as linhas e serviços. Só na linha de Sintra, uma das principais de acesso a Lisboa, foram suprimidos mais de 130 comboios.

Num documento enviado ao parlamento, o presidente da CP, Carlos Gomes Nogueira, admitiu os problemas na empresa, dando conta de que a falta de recursos humanos e de material na EMEF estão a causar diversas perturbações na circulação até ao final do ano no serviço regional com automotoras a gasóleo. O serviço regional das linhas do Oeste, Algarve e Alentejo é o que deverá ter maiores problemas, visto que deveria funcionar com 19 automotoras, mas quatro delas estarão em “imobilização prolongada” até ao final deste mês de novembro.

Todos os dias são suprimidos comboios na linha do Algarve devido a problemas de manutenção. E podiam ser mais, já que a CP reduziu o número de viagens na linha do Oeste no início de agosto. Para quem viaja de Intercidades, o problema também vai ser sentido: Lisboa, Porto, Braga, Évora e Faro vão ter 21 carruagens paradas num total de 102 do parque ativo da CP.

No estudo da BCG, a consultora apela aos países que estão na cauda do ranking a fazerem mais investimentos em infraestruturas. O Governo prometeu dar resposta ao desafio já no próximo ano. Durante o segundo dia de debate do Orçamento de Estado para 2019, o ministro do Planeamento e Infraestruturas, Pedro Marques, prometeu “o maior investimento em obras de construção de ferrovia dos últimos 100 anos”, focado “no plano ferrovia 2020, e na aquisição, já autorizada, de material circulante”.

No total, o Governo diz que vai canalizar mais de dois mil milhões de euros para a construção de novas linhas ferroviárias, numa extensão de 214 km, mas também para a modernização de 900 km de linha já existente. Para Pedro Marques, 2019 vai ser a entrada “numa fase de investimento crescente, robusto, abrangente e sustentável” e que vai ser visível nas “intervenções nos principais eixos ferroviários, desde a linha do Minho, a Linha do Douro, a Linha do Norte, Linha da Beira Baixa, início no Corredor Internacional Norte e Corredor Internacional Sul (Sines – Caia). Paralelamente, estarão em curso projetos para a modernização e eletrificação da Linha do Oeste e Linha do Algarve”.

O que eles têm e nós não?

Portugal podia ser um país mais competitivo? Podia. Como? Se imitasse os melhores. Seríamos os primeiros se tivéssemos a percentagem de utilizadores de Internet da Islândia, um serviço de saúde igual a Espanha, uma oferta de comboios idêntica à da Suíça, o sistema judicial da Finlândia ou uma tolerância ao risco das startups semelhante a Israel. E há mais, muito mais.

Para assinalar os dois anos do ECO, olhamos para Portugal no futuro. Estamos a publicar uma série de artigos, durante três semanas, em que procuramos saber o que o país pode fazer, nas mais diversas áreas, para igualar os melhores do mundo.

Segundo o World Economic Forum, Portugal está em 34.º no ranking da competitividade de 2018. Vamos “visitar” os mais competitivos do mundo, nas mais diversas áreas, e tentar perceber “O que eles têm e nós não?”. Clique aqui para ver todos os artigos da série.

Comentários ({{ total }})

O que é que a Suíça tem e Portugal não tem? Muitos comboios e chegam a horas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião