Um a um, estes deputados do PS votaram contra a baixa do IVA nas touradas

Os deputados socialistas tiveram liberdade de voto para a proposta de alteração ao OE que determinava a inclusão dos eventos tauromáquicos nos espetáculos com IVA reduzido.

A proposta socialista que previa a inclusão dos eventos tauromáquicos na lista de espetáculos com IVA reduzido dividiu a bancada de Carlos César. Foram 43 os deputados do PS que votaram a favor, e 41 que votaram contra. Também se opuseram à medida o BE, o PAN, o CDS e o PCP, sendo a proposta rejeitada pelo Parlamento.

Esta proposta de alteração ao Orçamento do Estado (OE) foi apresentada pelo grupo parlamentar do PS, em oposição à vontade expressa do Governo. No debate na generalidade da proposta de OE, a ministra da Cultura, Graça Fonseca, recusou descer o IVA da tauromaquia, alegando que se tratava de uma questão de “civilização”. Declarações que geraram enorme polémica e que levaram Carlos César a avançar com uma proposta em sentido contrário, que surpreendeu o próprio primeiro-ministro e que os comentadores políticos leram como um braço de ferro entre os dois pesos pesados do partido socialista.

Apesar de esta proposta ter sido chumbada, as touradas vão mesmo ter IVA a 6%. Isto porque, na sessão da última terça-feira, foi aprovada a descida da taxa do IVA para o mínimo não só nas touradas, mas também nas entradas em espetáculos de canto, dança, música, teatro, cinema e circo, sem discriminações em termos de local onde decorre o espetáculo.

Os deputados socialistas tiveram liberdade de voto para esta proposta, com António Costa a admitir que “se fosse deputado do PS votaria contra”. Apesar de Ferro Rodrigues, presidente da Assembleia da República, ter indicado que foram 40 os deputados que votaram contra, enunciou 41 nomes. Eis a lista dos deputados do PS que votaram contra redução do IVA das touradas:

  • Catarina Marcelino
  • Sónia Fertuzinhos
  • Luís Soares
  • Ana Catarina Mendes
  • Pedro Delgado Alves
  • Edite Estrela
  • Fernando Jesus
  • Alexandre Quintanilha
  • Margarida Marques
  • Paulo Trigo Pereira
  • Fernando Rocha Andrade
  • Filipe Neto Brandão
  • Carla Sousa
  • Tiago Barbosa Ribeiro
  • Porfírio Silva
  • Susana Amador
  • Elza Pais
  • António Sales
  • Rosa Albernaz
  • Lúcia Araújo Silva
  • Caldeira Cabral
  • André Pinotes Batista
  • Carla Tavares
  • Wanda Guimarães
  • Ana Passos
  • António Almeida Santos
  • Francisco Rocha
  • José Rui Cruz
  • José Magalhães
  • Diogo Leão
  • Isabel Moreira
  • Isabel Santos
  • Luís Graça
  • Pedro Bacelar Vasconcelos
  • Constança Urbano Sousa
  • Hugo Carvalho
  • Odete João
  • Maria Conceição Loureiro
  • Ivan Gonçalves
  • Vitalino Canas
  • Sandra Pontedeira

Depois de conhecido o resultado da votação, a Associação de Promotores, Espetáculos, Festivais e Eventos (APEFE) congratulou-se com a descida do IVA dos bilhetes para os espetáculos, sem discriminações, referindo que tal irá refletir-se nos preços já partir de 1 de janeiro. “Estávamos à espera disto desde que foi anunciado, portanto estamos muito satisfeitos com esta decisão de não discriminar o que é um recinto fixo e o que é um recinto improvisado, e [o que fazia] os mesmos conteúdos artísticos terem IVA diferentes. Assim faz sentido”, afirmou Sandra Faria, da direção daquela estrutura, em declarações à agência Lusa.

“Estamos muito satisfeitos de esta medida entrar em vigor já a 1 de janeiro, que é o que faz sentido porque é o ano fiscal, e não em julho, a meio do ano”, afirmou Sandra Faria. De acordo com a dirigente da APEFE, “isto quer dizer que os bilhetes que estão à venda neste momento, com IVA a 13%, automaticamente, quando o IVA alterar, o preço vai baixar”. Sandra Faria sublinhou estar a falar apenas pela associação “e não por todo o país”.

A APEFE, que foi formalizada em 2017, reúne algumas das maiores promotoras de espetáculos, como a Everything is New, a Música no Coração, a Ritmos, a UAU, a Ritmos & Blues, a Better World, a Ao Sul do Mundo, a Sons em Trânsito, a Uguru e a Regiconcerto. Ou seja, os bilhetes que já estão à venda para espetáculos promovidos pelos associados da APEFE baixarão de preço em janeiro, tal medida afetará, por exemplo, o valor dos bilhetes de alguns dos festivais de verão.

(Artigo atualizado com declarações da APEFE)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

Um a um, estes deputados do PS votaram contra a baixa do IVA nas touradas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião