“Obviamente, se fosse deputado do PS votaria contra” a redução do IVA nas touradas, diz António Costa

O grupo parlamentar do PS apresentou uma proposta de alteração ao OE para incluir a tauromaquia no conjunto de espetáculos culturais com a redução do IVA para 6%. António Costa já reagiu.

António Costa mostra-se surpreendido com a iniciativa do grupo parlamentar do PS, que apresentou nesta quinta-feira uma proposta de alteração para incluir a tauromaquia no conjunto de espetáculos culturais com redução do IVA para 6%. “Obviamente que se fosse deputado do PS votaria contra” a proposta, diz o primeiro-ministro, em declarações transmitidas pela RTP3.

“Tenho a esperança que a proposta que foi apresentada pelo Governo seja aprovada e que haja uma redução da taxa do IVA para os espetáculos de teatro, dança, musica, mas que não haja uma redução da taxa do IVA para os espetáculos tauromáquicos“, reforça o primeiro-ministro.

A ministra da Cultura, Graça Fonseca, excluiu a tauromaquia de um eventual alargamento dos espetáculos abrangidos pela redução do IVA de 13% para 6% por ser uma questão de “civilização”, no debate na generalidade da proposta de Orçamento do Estado para 2019. António Costa apoiou a posição da ministra da Cultura nesta matéria numa carta aberta, onde disse ainda que “o choca” a televisão pública transmitir touradas, mas que não lhe “ocorre proibir” essa transmissão.

O primeiro-ministro admite que “é manifesto que há uma divergência entre o grupo parlamentar e o Governo”, mas garante que o grupo é autónomo e que está assim a fazer o exercício da sua liberdade. “O Governo não dá ordens à Assembleia e estaremos sujeitos ao que decidirem”, acrescenta.

Acusado de incoerência pelo PSD, por ter comparecido em touradas há alguns anos, nomeadamente no período em que foi presidente da Câmara Municipal de Lisboa (CML), Costa responde que esteve apenas em representação da CML, e que “não há qualquer contradição”.

(Notícia atualizada às 18h51)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Obviamente, se fosse deputado do PS votaria contra” a redução do IVA nas touradas, diz António Costa

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião