PSD tem mais de 100 propostas para alterar o OE. Ataca especulação imobiliária

Entre as propostas apresentadas inclui-se a diferenciação da tributação das mais-valias imobiliárias, em função da duração da titularidade do imóvel.

Foram mais de 100 as propostas de alteração apresentadas pelo PSD ao Orçamento do Estado para 2019. Entre elas, encontram-se medidas que pretendem travar a especulação imobiliária, mas também o IVA reduzido para espetáculos, e até produtos de poupança. O partido garante que, caso todas as propostas fossem aprovadas, não haveria agravamento do défice orçamental.

O PSD propõe, “em sede de IRS, diferenciar a tributação das mais-valias imobiliárias em função da duração da titularidade do imóvel“, lê-se no documento que compila as propostas de alteração, apresentadas esta quinta-feira na sede do partido. O objetivo será beneficiar as famílias que ficam com casa no património durante mais tempo. Se ficarem com um imóvel mais do que 15 anos terão uma redução das mais-valias em IRS, e acima dos 30 anos a proposta prevê a isenção de qualquer tributação.

O presidente do PSD, Rui Rio, já tinha expressado a possibilidade de o partido apresentar uma proposta neste sentido. A medida mantém “plena aplicabilidade das isenções nos casos de reinvestimento e de habitação própria e permanente”.

Já para as empresas, a proposta é completamente o inverso. Para as entidades que exerçam atividade de compra e venda de imóveis, “o objetivo é vender a mercadoria, por isso se vender no espaço inferior a um ano a isenção permanece”, explica Duarte Pacheco. Já se retiver acima de três anos, paga a mais-valia na totalidade.

Touradas e espetáculos ao ar livre com IVA a 6%

Relativamente à redução do IVA nos espetáculos culturais para 6%, António Leitão Amaro refere que são feitas “discriminações sérias e incompreensíveis” aos espetáculos que não estão incluídos na proposta, como aqueles ao ar livre e também as touradas. Entretanto, o PS anunciou esta quinta-feira que vai apresentar uma proposta de alteração ao Orçamento para incluir a tauromaquia no conjunto de espetáculos que terão uma redução do IVA.

“Se há uma decisão de redução do IVA, que se aplique a todas as atividades culturais”, aponta o vice-presidente da bancada. “Não há justificação para perseguir ou discriminar as touradas”, afirma, criticando ainda a postura do primeiro-ministro em relação a este assunto. António Costa “veio desdenhar e usar expressões que são pouco coerentes”, para uma pessoa que há alguns anos ia a atividades tauromáquicas e saudava pessoas dessas artes, aponta António Leitão Amaro.

Propostas sem impacto orçamental

Outra proposta que mereceu destaque foi a intenção de desenvolver um novo produto de poupança individual para a reforma, com benefícios na poupança fiscal. “O regime fiscal dos PPRs teve nos últimos anos uma significativa alteração”, e causou uma “perda de interesse financeiro [nestes planos] como forma de poupança”, indica o vice-presidente da bancada.

“Na calibração do conjunto de medidas, a primeira preocupação foi que fossem neutras do ponto de vista orçamental“, explica Joaquim Sarmento. Algumas das propostas que os social-democratas realçam são a eliminação da taxa municipal sobre proteção civil, a revogação do adicional sobre o imposto dos combustíveis, e que não sejam realizados outros agravamentos de impostos.

"Na calibração do conjunto de medidas, a primeira preocupação foi que fossem neutras do ponto de vista orçamental.”

Joaquim Sarmento

Porta-voz do Conselho Estratégico Nacional

Para o PSD, a proposta para o Orçamento apresentada pelo Governo não é boa, “porque tem carga fiscal máxima, para depois dar serviços públicos mínimos”. As alterações propostas preveem assim também a realocação de alguns montantes alocados. O partido prefere a utilização dos valores previstos para a medida de redução das propinas no financiamento a residências universitárias, por exemplo.

A realocação está presente na lista de medidas são apresentadas como correções a “injustiças orçamentais”, onde se encontra também o alargamento dos manuais gratuitos ao ensino privado, ou a aplicação da redução de tarifas nos passes sociais a todo o país.

(Notícia atualizada às 18h05)

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

PSD tem mais de 100 propostas para alterar o OE. Ataca especulação imobiliária

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião