Discrepância de 590 milhões de euros? Não há “anomalia” no Orçamento, garante CFP

O CFP não concorda com a UTAO quanto à discrepância de 590 milhões de euros no Orçamento do próximo ano. Teodora Cardoso diz que cativações são "necessárias".

“Temos que reconhecer que não há uma anomalia no Orçamento do Estado para 2019”. As palavras são da presidente do Conselho de Finanças Públicas (CFP) e referem-se à discrepância de 590 milhões de euros identificada pela Unidade Técnica de Apoio Orçamental (UTAO) entre aquele que considera ser o valor do saldo orçamental e aquele que foi apresentado por Mário Centeno. “A diferença está entre o Orçamento e a previsão de execução”, afirmou, esta quinta-feira, Teodora Cardoso, no âmbito da apreciação na especialidade da proposta orçamental do Executivo de António Costa.

Na apreciação preliminar da proposta de Orçamento do Estado para 2019, a UTAO apresentou fortes dúvidas sobre a meta do Governo para o défice do próximo ano. Nas contas desta entidade, o saldo orçamental “compatível com o saldo global constante dos mapas da proposta de lei e o valor dos ajustamentos é de -975 milhões de euros, e não os -385 milhões que o relatório do Ministério das Finanças apresenta”. Ou seja, há “uma discrepância de 590 milhões de euros, ou 0,3% do PIB”.

Questionada sobre essa diferença, esta quinta-feira, a presidente do CFP garantiu que não se trata de uma “anomalia” e acrescentou: “As cativações são necessárias, ou pelo menos convenientes, porque são a maneira do ministério gerir despesas sem andar a aprovar novas medidas”.

Recorde-se que o Governo também respondeu à UTAO, esclarecendo que o valor em causa diz respeito a um “ajustamento”. De acordo com o Executivo, o que está no Orçamento são os “tetos máximos legais”, que nunca são atingidos. Em causa está, assim, “um exercício legal de controlo orçamental”.

Redução do défice depende de “fatores transitórios”

Teodora Cardoso esteve, esta quinta-feira, no Parlamento, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento para 2019.Paula Nunes / ECO

À semelhança do que concluiu no relatório à proposta de Orçamento para 2019, a presidente do CFP voltou, esta tarde, a sublinhar que a redução prevista do défice nacional está dependente de “fatores transitórios”, como o ciclo económico, a evolução dos juros e os dividendos.

Neste quadro, Teodora Cardoso alertou para a “vulnerabilidade” da economia portuguesa, já que a sua evolução está muito condicionada pelo exterior, e apelou à prudência.

“A consolidação orçamental prossegue muito dependente do ciclo económico e das taxas de juro e isso acarreta um risco”, notou a economista. Teodora Cardoso identificou ainda a desaceleração da economia alemã e o divórcio do Reino Unido da União Europeia como riscos a ter em conta, uma vez que esses países têm uma fatia significativa das exportações nacionais.

A nível interno, a líder do CFP considerou que a demografia e a produtividade são os maiores desafios do país. “Com a população a descer se a produtividade não crescer, o PIB não pode crescer”, defendeu Teodora Cardoso. A propósito da necessidade de reforçar a produtividade nacional, a professora concluiu que essa aposta não pode continuar a ser feita através de “uma política de salários baixos”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Discrepância de 590 milhões de euros? Não há “anomalia” no Orçamento, garante CFP

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião