“Orçamento tem muitas medidas avulsas e meramente simbólicas”, diz o CES

Na opinião do Conselho Económico e Social, o Orçamento do Estado para 2019 tem "muitas medidas avulsas" que têm um caráter "meramente simbólico". Entidade apela ainda ao reforço do investimento.

Apesar de reconhecer que o Orçamento do Estado para o próximo ano traz algumas mudanças positivas, o Conselho Económico e Social (CES) considera que são muitas as “medidas avulsas” com “caráter meramente simbólico e superficial” incluídas no plano de Mário Centeno.

“O CES acha que há medidas positivas [no Orçamento para 2019]. O problema não é haver medidas a mais, é haver muitas medidas avulsas, o que se traduz em muitas medidas de caráter meramente simbólico e superficial“, defendeu, esta manhã, José António Cortez. O conselheiro da entidade liderada por António Correia de Campos foi ouvido, esta quinta-feira, no âmbito da apreciação na especialidade do Orçamento do Estado para o próximo ano.

Segundo José António Cortez, são exemplos desse problema o desconto fiscal de 50% para os emigrantes que decidam regressar a Portugal, os incentivos ao investimento e à fixação no interior do país e a redução das propinas no Ensino Superior. No primeiro caso, o conselheiro diz estar em causa uma “medida insuficiente”, porque, na sua opinião, o regresso desses emigrantes não passa por questões fiscais, mas laborais. Quanto à última medida referida, o responsável confessa-se preocupado com o financiamento das instituições de Ensino Superior e sublinha que essa matéria não está devidamente esclarecida na proposta orçamental apresentada.

Deste modo, José António Cortez nota que o quarto Orçamento do Executivo de António Costa inclui muitas “medidas que não abordam de forma suficientemente abrangente e integrada”.

Este é um “Orçamento acomodado”

António Costa no Conselho Económico e Social com Pedro Marques e António Correia de Campos.Paula Nunes/ECO

A crítica não é nova. No seu parecer sobre o Orçamento de Mário Centeno, o CES já tinha considerado “pouco ambicioso” o plano em questão. Esta manhã, de visita ao Parlamento, José António Cortez voltou à carga e considerou este um “Orçamento acomodado”, já que demonstra “pouca ambição” do Governo na convergência comunitária e no crescimento económico.

“Relativamente às previsões apresentadas, consideramos que têm um duplo sentido. Por um lado, são plausíveis. Não pensamos que estejam em risco de incumprimento. Por outro, deixam um sentimento de insatisfação“, assinalou o conselheiro do CES.

Além disso, o responsável sublinhou que são necessárias mais “medidas do lado da oferta”, da “competitividade” e da “produtividade”, uma vez que uma aposta única no lado da procura “não garante a sustentabilidade a prazo”.

Por isso, José António Cortez apela ao reforço do investimento público e privado, referindo que os valores presentes no Orçamento de Centeno são “exagerados” e de difícil concretização. “Sistematicamente os Orçamentos dos últimos anos têm avançado com valores de investimento desfasados”, criticou o conselheiro.

O conselheiro fez ainda questão de reforçar que o “investimento público tem servido de regulador da execução orçamental”, sendo urgente o seu reforço.

Recorde-se que no parecer aprovado no início da semana, o CES enfatizou-se a necessidade de “garantir um crescimento mais substancial do investimento de forma a tornar a nossa economia mais competitiva, a garantir a continuidade da criação de emprego mais qualificado e a dotar o país de melhores condições de vida para os que nele residem”. Nesse documento, a entidade defendeu, ainda neste sentido, que o investimento público e privado devem ser assumidas como prioridades.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Orçamento tem muitas medidas avulsas e meramente simbólicas”, diz o CES

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião