Parlamento Europeu contraria Bruxelas e pede manutenção de verbas na coesão e PAC

  • Lusa
  • 14 Novembro 2018

A resolução aprovada no Parlamento, que defende a manutenção do financiamento da política de coesão e da PAC, contraria os cortes previstos na proposta orçamental da Comissão Europeia.

O Parlamento Europeu defendeu esta quarta-feira a manutenção do financiamento da política de coesão e da Política Agrícola Comum (PAC) no Quadro Financeiro Plurianual da União Europeia (UE) para 2021-2027, contrariando os cortes previstos na proposta orçamental da Comissão Europeia.

Os eurodeputados, reunidos em sessão plenária em Estrasburgo, aprovaram, por 429 votos a favor, 207 contra e 40 abstenções, uma resolução na qual defendem a manutenção do financiamento da política de coesão e da PAC na UE a 27, pelo menos, ao nível do orçamento de 2014-2020 em termos reais.

Na resolução aprovada esta quarta-feira, a assembleia europeia contraria a proposta da Comissão Europeia, que prevê, face ao atual Quadro Financeiro Plurianual (QFP), um corte global de cerca de 10% na política de coesão e um de 5% na PAC para 2021-2027.

Outras das propostas inscritas na resolução são a duplicação dos recursos para combater o desemprego dos jovens no Fundo Social Europeu e o financiamento específico para as PME, o reforço em 10% do nível do Fundo Europeu dos Assuntos Marítimos e das Pescas, o aumento do orçamento consagrado ao programa Horizonte Europa para 120 mil milhões de euros (Bruxelas propôs 83,5 mil milhões), ou a fixação da contribuição da UE para os objetivos em matéria de clima em, pelo menos, 25% das despesas durante a vigência QFP 2021-2027.

O PE defende ainda que o nível do próximo orçamento comunitário deve ser fixado em 1,324 biliões de euros, o que representa 1,3% do rendimento nacional bruto (RNB) da UE-27 (contra os 1,1% propostos pela Comissão), “a fim de assegurar o nível necessário de financiamento para as políticas fundamentais da UE que lhes permita cumprir a sua missão e objetivos”.

Os eurodeputados reiteram a posição anteriormente defendida sobre a introdução de um cabaz de novos recursos próprios, sem aumentar os encargos fiscais para os cidadãos, argumentando que estes devem ter um duplo objetivo: em primeiro lugar, conseguir uma redução substancial da percentagem das contribuições dos Estados-membros baseadas no RNB e, em segundo lugar, garantir o financiamento adequado das despesas da UE no âmbito do QFP pós-2020.

O PE recorda que as receitas e as despesas serão tratadas como um pacote único nas próximas negociações, avisando que não será possível chegar a acordo sobre o QFP se, paralelamente, não forem obtidos progressos sobre os novos recursos próprios da UE.

A assembleia europeia lamenta ainda a falta de progressos a nível dos Estados-membros, apelando para que o orçamento pós-2020 seja inscrito no topo da agenda do Conselho para que seja ainda possível alcançar um acordo antes das eleições europeias de maio de 2019.

As negociações oficiais sobre o QFP 2021-2027 só podem começar depois de os Estados-membros acordarem um mandato de negociação no Conselho, o que ainda não aconteceu.

Os eurodeputados esperam que “seja alcançado um bom acordo antes das eleições de 2019 para o Parlamento Europeu, a fim de evitar graves reveses para o lançamento dos novos programas devido à adoção tardia do quadro financeiro, como aconteceu no passado”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento Europeu contraria Bruxelas e pede manutenção de verbas na coesão e PAC

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião