May pede apoio a conservadores para levar acordo a bom porto. Diz ter interesse nacional na mira

Depois de ter conseguido um acordo técnico com Bruxelas sobre o Brexit, Theresa May veio explicar que os termos negociados cumprem as prioridades do povo britânico. Diz que não se demitirá.

Acima de tudo, o interesse nacional. Foi esta a principal promessa deixada pela primeira-ministra britânica, no seu primeiro discurso após ter chegado a acordo técnico com Bruxelas sobre a saída do Reino Unido da União Europeia. Theresa May frisou, esta quinta-feira, que os termos negociados concretizam as prioridades do povo britânico e aproveitou para apelar ao apoio do partido conservador. Isto numa altura em que as tensões no seio da bancada Tory têm subido e até já circulam cartas a pedir uma moção de censura contra a líder do Governo.

Depois de uma reunião de emergência que durou largas horas, o Executivo britânico chegou, na quarta-feira, a acordo técnico com o bloco comunitário sobre o divórcio mais polémico dos últimos dois anos. Em declarações aos jornalistas, Theresa May salientou, esta tarde, que este foi um processo complexo de negociações (durou 17 meses) e fez questão de sublinhar que “liderar é tomar as decisões certas, não as mais fáceis”.

Além disso, a primeira-ministra garantiu que está empenhada em levar este acordo até ao fim, mantendo-se no cargo, apesar das críticas e confrontos políticos.

Sobre as baixas sofridas no seu Executivo (já foram quatro os governantes que se demitiram, entre eles o ministro do Brexit), May disse “lamentar” a escolha desses políticos, mas reforçou que acredita estar a fazer o caminho mais correto para o país. Acima de tudo, a conservadora afirma querer defender o interesse nacional.

“Farei o meu trabalho de modo a trazer o melhor acordo para o povo britânico, aquele que assegura o interesse nacional”, notou. Por isso, Theresa May apelou ao apoio do seu partido para levar o acordo a bom porto, uma vez que, caso tal não aconteça, seguir-se-á um período de “muita incerteza”. “As pessoas só querem seguir em frente”, enfatizou.

O acordo técnico sobre o Brexit conseguido por Theresa May e por Bruxelas terá agora de passar pela Câmara dos Comuns, em sessão plenária. Além disso, a versão final do acordo em causa terá ainda de ser ratificada, o que deverá acontecer na cimeira extraordinária marcada por Donald Tusk para 25 de novembro.

No termos já definidos para a saída, o Reino Unido e a União Europeia decidiram criar uma espécie de “território aduaneiro único” na fronteira entre as Irlandas, um dos pontos mais quentes destas conversações. O chamado backstop não tem sido, contudo, recebido com muitos elogios pelos britânicos. Em causa está um território no qual as mercadorias britânicas terão acesso sem taxas nem quotas ao mercado dos 27. Além desta matéria, o acordo define as expectativas para o acordo comercial, para os mercados financeiros e para os cidadãos.

Apesar de ter apertado mãos com Bruxelas, Theresa May tem perdido popularidade no seio do seu partido. Jacob Rees Mogg, uma das figuras mais proeminentes da campanha a favor do divórcio, já apelou a uma moção de censura contra a primeira-ministra, considerando que a líder desrespeitou as suas próprias linhas vermelhas, avança o The Guardian. São necessárias 48 cartas envidas pelos deputados Tory para a eventual realização dessa votação que decidiria o futuro do Executivo de May.

(Notícia atualizada às 18h30)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

May pede apoio a conservadores para levar acordo a bom porto. Diz ter interesse nacional na mira

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião