Cimeira para assinar acordo do Brexit marcada para 25 de novembro

O presidente do Conselho Europeu anunciou esta quinta-feira a data da realização da cimeira extraordinária para assinar o acordo do Brexit. Será no próximo dia 25 de novembro.

A cimeira extraordinária para assinar finalmente o acordo da saída do Reino Unido da União Europeia (UE) já tem data. Será no próximo dia 25 de novembro, em Bruxelas, segundo avançou esta quinta-feira o presidente do Conselho Europeu, citado pelo The Guardian (acesso livre).

Depois de uma reunião com o responsável pelas negociações em torno do Brexit, Michel Barnier, Donald Tusk convidou os líderes da União Europeia para a cimeira e admitiu que foram alcançados progressos decisivos nas negociações. Quanto à primeira-ministra britânica, Theresa May, o presidente do Conselho Europeu espera que esta assine o acordo.

Numa conferência de imprensa em Bruxelas, Tusk disse, ainda, que os embaixadores dos 27 Estados-membros da UE terão até ao final desta semana para se pronunciarem sobre o acordo, que estabelece as condições para a concretização do Brexit.

Donald Tusk fez, também, questão de deixar um agradecimento a Michael Barnier, pelo trabalho “excecionalmente duro” que desenvolveu durante as negociações da saída do Reino Unido da União Europeia.

Antes do anúncio da data para a realização da cimeira extraordinária, o presidente do Conselho Europeu fez uma publicação através da sua conta de Twitter — dirigidas aos cidadãos britânicos — dizendo que fará tudo o que estiver ao seu alcance para que o Brexit seja “o menos doloroso possível”.

“Deixem-me dizer aos nossos amigos britânicos: por mais que esteja triste por vê-los a sair, farei tudo para que a despedida seja o menos dolorosa possível, tanto para vocês como para nós”, pode ler-se no post.

Barnier, por sua vez, fez questão de alertar que apesar de este ser “um momento muito importante”, ainda há um “longo caminho pela frente, para ambos os lados”. “O nosso trabalho não está terminado”, disse.

Acordo permite concretizar o Brexit “de forma ordenada”

Depois de 17 meses de negociações, Augusto Santos Silva, ministro dos Negócios Estrangeiros, considera que “do ponto de vista dos 27 [Estados-membros], a negociação está concluída.” Para o ministro, o esboço do acordo para o Brexit, aprovado na quarta-feira, representa um “passo positivo e muito importante”, disse em entrevista à TSF (acesso livre).

Santos Silva considera que o projeto permite concretizar o Brexit de “forma ordenada” e tendo presente “um período de transição suficientemente longo, até ao fim de 2020, para que a negociação sobre o relacionamento futuro possa ser feita com condições de sucesso”.

Quanto ao acordo propriamente dito, nas palavras do ministro dos Negócios Estrangeiros, “responde a todos os problemas” levantados, referindo-se à questão dos direitos dos cidadãos europeus no Reino Unido e dos britânicos na União Europeia, aos compromissos financeiros britânicos para com a UE, às indicações geográficas de origem — uma questão que considera “essencial para Portugal” — e à inexistência de uma fronteira física entre a República da Irlanda e a Irlanda do Norte.

(Notícia atualizada com mais informação às 8h41)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Cimeira para assinar acordo do Brexit marcada para 25 de novembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião