Bruxelas responde ao youtuber Wuant: A internet não vai acabar

  • Guilherme Monteiro
  • 29 Novembro 2018

Comissão Europeia já respondeu ao vídeo do youtuber Wuant, onde diz que a liberdade de expressão não vai ser afetada e que os youtubers vão também sair beneficiados.

Primeiro, foi a dramatização sobre o fim da internet, agora vem a resposta da Comissão Europeia ao vídeo de 11 minutos do youtuber Wuant: “Venho dizer-vos que não há razões para se preocuparem. E sabem porquê? Porque… não, o vosso canal de YouTube não vai desaparecer… não, a internet (como a conhecemos) não vai desaparecer… não, os memes não vão desaparecer”, começa por dizer a represente da Comissão Europeia em Portugal, Sofia Colares Alves.

A polémica em torno da reforma de direitos de autor na União Europeia, e em particular os artigos 11º e 13º, voltou à luz do dia, depois do popular youtuber Wuant ter publicado um vídeo a alertar para o possível “fim da Internet”. O jovem português de 23 anos avisou que, caso a diretiva venha a ser aprovada, o Youtube e Google Imagens podem deixar de existir na Europa. Alertas que deixaram em pânico milhares de internautas.

Na carta, é deixada a garantia de que a “liberdade de expressão não vai ser limitada”, visto que “os vídeos não vão ser apagados”. É ainda esclarecido que a própria lei não se dirige aos youtubers, mas “a plataformas como o YouTube, que têm lucrado graças a conteúdos que não cumprem as leis de direitos de autor”.

No mesmo documento, a Comissão Europeia defende ainda que a lei vai dar “força aos youtubers enquanto criadores de conteúdos”, e lembra que “youtubers que copiem ou utilizem” trabalhos de outros youtubers sem autorização “vão deixar de lucrar com esse uso indevido”.

Também os memes são para manter. “Não há ninguém que queira acabar com eles”, garante a representante da Comissão que recorda estarem “protegidos por uma exceção na Diretiva de Direitos de Autor”.

Sofia Colares Alves garante que o que o artigo 13º vem mudar é a “forma desenfreada como conteúdos são (ab)usados na Internet para benefício de grandes plataformas” e defende que “esta polémica não tem nada que ver com censura, nem com o fim da Internet. Na verdade, só confirma o que já sabemos: uma informação errada, ainda que partilhada 1500 vezes, não passa a ser verdade”

A responsável europeia em Lisboa reforça ainda que a União Europeia é “um lugar de liberdade de expressão” e que “não é à toa que tantos milhares de imigrantes sofrem para cá chegar. A liberdade, a informação e as sociedades democráticas fazem parte do nosso ADN”.

A carta pode ser lida na íntegra aqui.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Bruxelas responde ao youtuber Wuant: A internet não vai acabar

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião