El Corte Inglés junta-se à Alibaba para fazer frente à Amazon

Para além de vender os produtos através das plataformas do grupo, como o Tmall e o AliExpress, o El Corte Inglés terá acesso a tecnologias da Alibaba, nomeadamente de análise de dados.

O El Corte Inglés está a preparar-se para fazer frente à Amazon. O grupo espanhol fez uma parceria com o Alibaba, de forma a poder vender os produtos na plataforma online chinesa. Já o grupo fundado por Jack Ma terá acesso a infraestruturas em Espanha.

O pré-acordo assinado entre as empresas determina uma troca de tecnologias, espaços de vendas e estratégias nos dois países, avança o El País (acesso livre/conteúdo em espanhol). As empresas vão partilhar infraestruturas e canais logísticos, de forma a facilitar a logística das operações em cada um dos locais.

Para além de vender os produtos através das plataformas do grupo, como o Tmall e o AliExpress, o El Corte Inglés terá acesso a tecnologias da Alibaba, nomeadamente de análise de dados. Em troca, o Alibaba poderá utilizar os centros do grupo espanhol como pontos de recolha para os clientes e também exposição de produtos. Existem mais de 90 centros comerciais do El Corte Inglés em Espanha, bem como centros logísticos.

Este não é o primeiro contacto entre as duas empresas. O El Corte Inglés assinou, em março, um acordo com o Alipay, o sistema de pagamento associado ao grupo Alibaba, para tornar as compras mais fáceis para os turistas chineses que visitam a Espanha. Mais recentemente, no início do mês, o AliExpress abriu um espaço temporário num dos centros comerciais do grupo, em Madrid, para celebrar o Dia dos Solteiros, um evento anual de descontos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

El Corte Inglés junta-se à Alibaba para fazer frente à Amazon

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião