Pedro Marques espera aprovação da reprogramação do PT2020 em “poucos dias”

  • Lusa
  • 30 Novembro 2018

“Sobre essa matéria mantenho uma excelente perspetiva de uma aprovação em poucos dias, numa semana talvez, por parte da Comissão Europeia da nossa reprogramação”, disse Pedro Marques.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas disse esta sexta-feira em Bruxelas que mantém “uma excelente perspetiva” da aprovação da reprogramação do Portugal 2020 por parte da Comissão Europeia no prazo de “poucos dias, uma semana talvez”.

Em declarações aos jornalistas, após a conclusão do Conselho de Assuntos Gerais da União Europeia, dedicado à política de coesão, Pedro Marques revelou que “naturalmente” houve uma troca de impressões “breve” com os serviços da Comissão Europeia sobre a reprogramação do Portugal 2020. “Sobre essa matéria mantenho uma excelente perspetiva de uma aprovação em poucos dias, numa semana talvez, por parte da Comissão Europeia da nossa reprogramação”, declarou.

O ministro do Planeamento e das Infraestruturas sublinhou a importância daquela reprogramação para o Governo português, considerando que esta é “verdadeiramente uma revisão intercalar de todo o quadro comunitário”. “Nós encontrámos um quadro comunitário que, do nosso ponto de vista, não se ajustava plenamente às principais prioridades do país. Precisávamos de mais recursos para apoiar a criação de emprego e o investimento das empresas, e a qualificação dos portugueses, para combater as alterações climáticas, para o investimento territorial, que reforça a coesão territorial em todo o país”, enumerou.

Pedro Marques explicou que a maneira como tinha sido programado inicialmente o quadro comunitário pela Comissão Europeia e pelo Governo anterior faria com que Portugal estivesse agora “com um esgotamento desses recursos”. “Fizemos uma reprogramação muito significativa, e muito difícil, porque estamos a pegar nos mesmos recursos e a realocá-los. É sempre difícil fazer essa alteração, mas penso que conseguimos e agora tenho uma confiança muito grande de que vamos ter uma aprovação final por parte da Comissão Europeia”, rematou.

Em 12 de novembro, Pedro Marques informou que Bruxelas deveria aprovar a reprogramação do Portugal 2020 no prazo de um mês, o que permitiria abrir concursos para novo investimento de 460 milhões de euros. Em audição conjunta com três comissões parlamentares para debate na especialidade da proposta de Orçamento do Estado para 2019 (OE2019), Pedro Marques anunciou terem sido “concluídas com sucesso as negociações técnicas com a Comissão Europeia relativamente à reprogramação do Portugal 2020”.

“A submissão formal que é obrigatória depois dessa discussão técnica ser concluída foi feita na última sexta-feira e temos agora a expectativa de que a aprovação formal final das instâncias europeias ocorra num prazo máximo de um mês”, acrescentou então. O ministro indicou que, depois dessa aprovação, e entre outros, deverão ser “lançados imediatamente avisos de abertura de concursos para um total de investimento de 460 milhões de euros” em áreas como desenvolvimento urbano, património cultural, infraestruturas escolares e de saúde, “incluindo o Hospital Central do Alentejo”.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Pedro Marques espera aprovação da reprogramação do PT2020 em “poucos dias”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião