Norberto Rosa já não vai para o BCP. Ruma à Associação Portuguesa de Bancos

Norberto Rosa vai sair do banco liderado por Miguel Maya. Decidiu aceitar o convite para o cargo de Secretário-Geral da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

Norberto Rosa tinha sido apontado para o cargo de presidente da Comissão de Auditoria do BCP. Estava a aguardar “luz verde” do Banco Central Europeu, mas interrompeu o processo, saindo do banco. Decidiu aceitar o convite para o cargo de Secretário-Geral da Associação Portuguesa de Bancos (APB).

Em comunicado enviado à CMVM, o BCP revela que Norberto Rosa “comunicou à Comissão de Remunerações e Previdência do Banco Comercial Português ter aceitado o convite para o cargo de Secretário-Geral da Associação Portuguesa de Bancos”. Vai assumir o cargo até agora ocupado por Manuela Athayde Marques.

Perante esta decisão, “tendo em conta que lhe caberá atender aos interesses do setor bancário como um todo, o que se mostra incompatível com o desempenho das funções de membro não executivo do Conselho de Administração do BCP”, o antigo quadro do Banco de Portugal solicitou a renúncia ao mesmo.

Norberto Rosa, diz o BCP, pediu, por isso mesmo, a “cessação do processo de autorização que seguia o seu curso normal junto das entidades competentes”. Ou seja, a avaliação que estava a ser feita pelo Banco Central Europeu fica sem efeito tendo em conta a decisão do gestor.

O gestor, que além de quadro do Banco de Portugal, foi secretário de Estado do Orçamento nos governos de Cavaco Silva e Durão Barroso e administrador da CGD entre 2004 e 2013, tinha sido proposto como presidente da Comissão de Auditoria do BCP.

Foi ainda em março que o seu nome foi avançado para o BCP, acabando por ser confirmado mais tarde. Em assembleia geral, ao mesmo tempo que os acionistas aprovaram a nova liderança do banco, com Miguel Maya, deram também ok ao cargo a ser ocupado por Norberto Rosa. No entanto, passaram-se meses sem que a aprovação do BCE surgisse.

(Notícia atualizada às 18h07 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Norberto Rosa já não vai para o BCP. Ruma à Associação Portuguesa de Bancos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião