Lucros do BCP quase duplicam para 257,5 milhões de euros até setembro

O maior banco privado português contabilizou lucros de 257,5 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano, 93,1% acima do resultado alcançado no período homólogo.

O BCP viu os seus resultados quase duplicarem nos primeiros nove meses do ano. A instituição financeira liderada por Miguel Maya apresentou lucros de 257,5 milhões de euros entre janeiro e setembro, o que representa uma subida de 93,1% face ao período homólogo de 2017. Para esse resultado contribuiu, sobretudo, a atividade em Portugal que teve uma “evolução muito favorável”, revela o banco em comunicado enviado ao regulador.

O desempenho da instituição financeira liderada por Miguel Maya fica acima do esperado. Os analistas do BPI estimavam que o BCP fechasse os primeiros nove meses do ano com um resultado de 244 milhões de euros.

O resultado líquido de 257,5 milhões de euros alcançado até setembro compara com os 133,3 milhões registados no mesmo período do ano passado, e representa o segundo ciclo consecutivo em que a instituição financeira apresenta lucros.

Para este resultado contribuiu sobretudo a atividade doméstica do BCP. O banco dá conta que a atividade em Portugal teve uma “evolução muito favorável”, acrescentando que esta deu um contributo de 114,9 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2018, comparando com 0,8 milhões de euros no mesmo período de 2017“.

Já a atividade internacional aumentou em 7,2%, de 131,3 milhões de euros nos primeiros nove meses de 2017 para 140,8 milhões de euros no mesmo período de 2018.

Nos primeiros nove meses do ano, o banco presidido por Miguel Maya registou uma melhoria de 2,9% da margem financeira (diferença entre juros cobrados em créditos e juros pagos em depósitos) para 1.052,8 milhões de euros.

Comissões ajudam

Já as receitas com comissões cresceram 3,1%, para 510,1 milhões de euros, entre 2017 e 2018, contribuindo com 15,4 milhões para a melhoria dos resultados do banco.

“Esta evolução beneficiou sobretudo do desempenho favorável da atividade em Portugal, cujas comissões aumentaram 4,4%“, dá conta o maior banco privado português, acrescentado que esta evolução “traduz o aumento quer das comissões bancárias, quer das comissões relacionadas com os mercados financeiros“. Estas subiram 2,4% e 6,5%, respetivamente, face ao período homólogo.

No que respeita às imparidades, a instituição também reporta uma melhoria. Líquidas de recuperações, as imparidades no crédito evidenciaram “uma redução de 26,5% face aos 458,6 milhões de euros registados nos primeiros nove meses de 2017, fixando-se em 337,1 milhões de euros no mesmo período de 2018”, destacando a “diminuição verificada na atividade em Portugal, mas também o contributo da atividade internacional, que contou com o comportamento favorável de todas as subsidiárias”. Salienta neste âmbito, a operação polaca e, em menor escala, a operação em Moçambique.

Crédito cai em Portugal. Depósitos sobem

Já a carteira de crédito aumentou em 0,8% para 51.150 milhões de euros, com o apoio da atividade internacional. A nível nacional a tendência foi inversa, com o crédito a clientes a baixar 0,8%, para 37.629 milhões de euros, o que é justificado pelo BCP com a “uma importante redução dos NPE” (da sigla inglesa Non Performing Exposure)

Mas o banco salienta o crescimento da produção de crédito ao consumo e de crédito à habitação face aos primeiros nove meses de 2017, algo que diz ter sido “suportado pelo significativo desenvolvimento dos canais digitais em curso“.

Em relação aos recursos de clientes no balanço, foi registado um aumento de 5,5% para 72.786 milhões de euros, com os depósitos a crescerem em Portugal 5,8%, para 53.171 milhões de euros.

(Notícia atualizada pela última vez às 17h50 com mais informação)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Lucros do BCP quase duplicam para 257,5 milhões de euros até setembro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião