Acionistas aprovam propostas com 99,9% dos votos. BCP mais perto de dar dividendos

Acionistas do BCP já deram luz verde às propostas da administração que abrem a porta aos dividendos e aos bónus para os trabalhadores.

A maioria dos acionistas já deu luz verde às duas propostas que foram à Assembleia Geral extraordinária do BCP e que abrem a porta aos dividendos e aos bónus para os trabalhadores.

Estiveram presentes na reunião magna extraordinária desta segunda-feira acionistas representando 62% do capital do banco. Entre os principais acionistas do BCP estão os chineses da Fosun e os angolanos da Sonangol, detendo 27,06% e 19,49% do capital do banco português, respetivamente.

O primeiro ponto da ordem de trabalhos foi aprovado por 99,9% dos acionistas que estiveram na assembleia. Diz respeito a uma alteração de um artigo do estatutos para clarificar que é a Assembleia Geral o órgão responsável pela aprovação dos dividendos.

O segundo ponto também obteve a aprovação de 99,85% dos acionistas presentes. Isto significa que a administração do banco está autorizada a reduzir o capital social em quase 900 milhões de euros, o que vai permitir que a situação líquida do banco (os capitais próprios) exceda em 20% o seu capital social, possibilitando a existência de fundos para distribuir pelos acionistas e trabalhadores. Para que esta operação se concretize faltará ainda o aval do Banco Central Europeu (BCE).

Com este resultado, Miguel Maya fica mais perto de cumprir o seu desejo de voltar a distribuir pelos acionistas no próximo ano (o que não acontece desde 2010) e pagar bónus aos trabalhadores (em compensação pelos cortes salariais que vigoraram entre 2014 e 2017), mas nada está ainda definitivamente decidido. Não só porque BCE tem a palavra final sobre a redução do capital social, mas também porque os dividendos e bónus terão de ser decididos noutra assembleia geral.

No plano financeiro, depois de ter apresentado lucros de 150 milhões de euros no primeiro semestre, o BCP volta a reportar contas trimestrais já na quinta-feira. Os analistas do do BPI estimam um resultado líquido positivo de 243,6 milhões de euros nos primeiros nove meses do ano.

Esta segunda-feira, o banco do BCP na Polónia anunciou a aquisição do Euro Bank ao Société Générale por 428 milhões de euros, numa investimento que poderá aumentar os lucros do BCP em 5%, segundo as estimativas do BPI.

(Notícia atualizada às 16h08)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Acionistas aprovam propostas com 99,9% dos votos. BCP mais perto de dar dividendos

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião