PSD quer premiar denúncias de fraude nos fundos comunitários

Na sua estratégia para os fundos estruturais, PSD sugere uma mudança de tutela, uma reestruturação de recursos humanos nos organismos intermédios e uma aposta nos resultados em detrimento da execução.

O PSD sugere que os fundos estruturais devem ser orientados para resultados e não norteados pelo “imperativo da execução”. Na sua estratégia para os recursos da União Europeia, os social-democratas defendem o “princípio da equidade” e o combate à corrupção nos fundos através da criação da figura da delação premiada.

O ex-gestor do Compete e coordenador do Conselho Estratégico Nacional do PSD para a Economia, Trabalho e Inovação, Rui Vinhas da Silva, apresentou esta terça-feira um documento sobre os fundos estruturais, intitulado “Recursos da União Europeia e Fundos Estruturais: Que caminho para o Futuro?”, onde defende a necessidade de combate à corrupção nos fundos através de “mecanismos de prevenção e deteção de fraude”, mas também da figura a delação premiada e de um sistema antifraude europeu assente no desenvolvimento, em cada Estado-membro da União Europeia, de mecanismos eletrónicos de submissão de queixas pelos cidadãos em estreita cooperação com o OLAF”.

Sugestões que ganham uma nova premência depois de o Expresso (acesso pago) ter denunciado este fim de semana que oito funcionários do IAPMEI estão a ser investigados pela Polícia Judiciária por suspeitas de corrupção e tráfico de influências na atribuição de fundos europeus, já que alegadamente exigiam dinheiro em troca da atribuição dos fundos às empresas.

Também numa lógica de moralização da utilização dos fundos, o PSD defende que, nos territórios de baixa densidade, só devem ser financiados pelos fundos estruturais, os projetos que criam emprego e riqueza cujas “unidades produtivas (e não sedes fictícias) se situem efetivamente nesses territórios”.

Mas as propostas do PSD vão mais longe. Em termos de arquitetura, a primeira grande mudança começa ao nível da tutela. Para o PSD deve ser o primeiro-ministro quem deve ter a tutela dos fundos, ou o ministro da Economia. Atualmente, a tutela está com o ministro do Planeamento e das Infraestruturas, sendo que depois as várias áreas setoriais, se encontra sob a alçada dos respetivos ministérios: Economia com as empresas, Pescas e Mar com Ana Paula Vitorino, Agricultura com Capoulas Santos e o Programa Operacional Sustentabilidade e Eficiência no Uso de Recursos (POSEUR) com o ministro do Ambiente.

O documento apresentado esta manhã, na sede do PSD, também com a presença de David Justino, presidente do CEN, e de Isabel Meirelles, coordenadora do CEN para os Assuntos Europeus, sugere também que as autoridades de gestão dos fundos, assim como os organismos intermédios (Aicep, ANI, Iapmei, AEP, AIP, etc.) devem ser alvo de uma “reestruturação de recursos humanos, com a introdução de sangue novo das universidades, empresas, associações setoriais e centros tecnológicos”. Outra mudança sugerida é que as CCDR “devem ser instrumentos de política económica do Ministério da Economia”. Atualmente estas estruturas têm tutela conjunta do Planeamento, Ambiente e ministro-adjunto.

Em termos estratégicos, o PSD sugere ainda uma cooperação mais estreita entre as empresas e as instituições de ensino superior de gestão e engenharia nacionais e estrangeiras, com um aumento de doutorados nas empresas; mas também criar centros de exposição de produtos e serviços para grandes clientes e negócios de elevado valor acrescentado.

Entre as propostas está também o desenvolvimento e implementação de “um núcleo de análise estatística, que assista ao planeamento estratégico e ao processo decisório, através da medição rigorosa do impacto dos fundos estruturais na economia”.

Do ponto de vista mais macroeconómico, o PSD sugere que a Política Agrícola Comum seja racionalizada, “já que é a rubrica individual mais expressiva em todos os Quadros Financeiros Plurianuais” e se aumente a sua eficiência, “enquadrando-a e interligando-a nos focos: valor acrescentado europeu; investigação e inovação, bem como sofisticação do tecido empresarial europeu”. E que, ao nível da Política de Coesão o Orçamento europeu, se foque “nas áreas com maior potencial de aportar valor acrescentado europeu (transnacional), como a investigação, a inovação, a segurança (interna e externa), a mobilidade de pessoas, bens e serviços (quer através de interligações físicas quer digitais) bem como a competitividade da economia europeia”.

No entanto, depois da conferência de imprensa, a versão do documento publicada no site do PSD é diferente da distribuída aos jornalistas. Em vez da figura da delação premiada, que não existe no sistema jurídico português, surge a da delação anónima. O vice-presidente do PSD esclareceu à Lusa que “não houve rigor suficiente a esclarecer” na conferência de imprensa. “O que estamos a falar é de delação propriamente dita: qualquer cidadão tem direito de, mesmo anonimamente, fazer delação junto da instituição que supervisiona as práticas de corrupção e princípios de transparência na Comissão Europeia, o OLAF”, disse David Justino à Lusa.

(Notícia atualizada com a versão atualizada do documento publicado no site do PSD)

Uma carta aos nossos leitores

Vivemos tempos indescritíveis, sem paralelo, e isso é, em si mesmo, uma expressão do que se exige hoje aos jornalistas que têm um papel essencial a informar os leitores. Se os médicos são a primeira frente de batalha, os que recebem aqueles que são contaminados por este vírus, os jornalistas, o jornalismo é o outro lado, o que tem de contribuir para que menos pessoas precisem desses médicos. É esse um dos papéis que nos é exigido, sem quarentenas, mas à distância, com o mesmo rigor de sempre.

Aqui, no ECO, estamos a trabalhar 24 horas vezes 24 horas para garantir que os nossos leitores têm acesso a informação credível, rigorosa, tempestiva, útil à decisão. Para garantir que os milhares de novos leitores que, nas duas últimas semanas, visitaram o ECO escolham por cá ficar. Estamos em regime de teletrabalho, claro, mas com muita comunicação, talvez mais do que nunca nestes pouco mais de três anos de história.

  • Acompanhamos a cobertura da atualidade, porque tudo é economia.
  • Escrevemos Reportagens e Especiais sobre os planos económicos e as consequências desta crise para empresas e trabalhadores.
  • Abrimos um consultório de perguntas e respostas sobre as mudanças na lei, em parceria com escritórios de advogados. Contamos histórias sobre as empresas que estão a mudar de negócio para ajudar o país
  • Escrutinamos o que o Governo está a fazer, exigimos respostas, saímos da cadeira (onde quer que ele esteja) ou usamos os ecrãs das plataformas que nos permitem questionar à distância.

O que queremos fazer? O que dissemos que faríamos no nosso manifesto editorial

  • O ECO é um jornal económico online para os empresários e gestores, para investidores, para os trabalhadores que defendem as empresas como centros de criação de riqueza, para os estudantes que estão a chegar ao mercado de trabalho, para os novos líderes.

No momento em que uma pandemia se transforma numa crise económica sem precedentes, provavelmente desde a segunda guerra mundial, a função do ECO e dos seus jornalistas é ainda mais crítica. E num mundo de redes sociais e de cadeias de mensagens falsas – não são fake news, porque não são news --, a responsabilidade dos jornalistas é imensa. Não a recusaremos.

No entanto, o jornalismo não é imune à crise económica em que, na verdade, o setor já estava. A comunicação social já vive há anos afetada por várias crises – pela mudança de hábitos de consumo, pela transformação digital, também por erros próprios que importa não esconder. Agora, somar-se-ão outros fatores de pressão que põem em causa a capacidade do jornalismo de fazer o seu papel. Os leitores parecem ter redescoberto que as notícias existem nos jornais, as redes sociais são outra coisa, têm outra função, não (nos) substituem. Mas os meios vão conseguir estar à altura dessa redescoberta?

É por isso que precisamos de si, caro leitor. Que nos visite. Que partilhe as nossas notícias, que comente, que sugira, que critique quando for caso disso. O ECO tem (ainda) um modelo de acesso livre, não gratuito porque o jornalismo custa dinheiro, investimento, e alguém o paga. No nosso caso, são desde logo os acionistas que, desde o primeiro dia, acreditaram no projeto que lhes foi apresentado. E acreditaram e acreditam na função do jornalismo independente. E os parceiros anunciantes que também acreditam no ECO, na sua credibilidade. As equipas do ECO, a editorial, a comercial, os novos negócios, a de desenvolvimento digital e multimédia estão a fazer a sua parte. Mas vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo de qualidade.

Em breve, passaremos ao modelo ‘freemium’, isto é, com notícias de acesso livre e outras exclusivas para assinantes. Comprometemo-nos a partilhar, logo que possível, os termos e as condições desta evolução, da carta de compromisso que lhe vamos apresentar. Esta é uma carta de apresentação, o convite para ser assinante do ECO vai seguir nas próximas semanas. Precisamos de si.

António Costa

Publisher do ECO

Comentários ({{ total }})

PSD quer premiar denúncias de fraude nos fundos comunitários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião