“Portugal é muito bom a gastar dinheiro”, diz a comissária europeia dos fundos comunitários

"Portugal foi o primeiro país que visitei porque foi o único que usou o dinheiro todo um ano antes do deadline". "Espero que continuem a gastar bem o dinheiro", disse Corina Cretu.

O mandato de Corina Cretu, que está no seu último ano, vai estar para sempre ligado a Portugal. Quem o diz é a própria. Portugal foi o primeiro país que visitou depois de tomar posse como comissária europeia da Política Regional. A razão? Porque o país foi o único que utilizou a total dotação dos fundos ao seu dispor um ano antes do prazo. “Portugal é muito bom a gastar dinheiro”, disse a comissária, arrancando uma gargalhada geral de uma plateia repleta que esta sexta-feira esteve reunida para assistir à conclusão do exercício de reprogramação do Portugal 2020.

Portugal foi o primeiro país que visitei porque foi o único que usou o dinheiro todo um ano antes do deadline. “Espero que continuem a gastar bem o dinheiro”, disse a responsável, que não demonstrou qualquer sombra de preocupação já que “Portugal não tem quaisquer atrasos”. “Pode ser que volte a gastar o dinheiro todo um ano antes”, acrescentou bem-disposta Corina Cretu. Em causa está um pacote com cerca de 25 mil milhões de euros.

A razão de despreocupação da comissária, apesar de a 30 de setembro o nível de execução do Portugal 2020 ser inferior ao do QREN no ano comparável, prende-se com o facto de os programas Compete (empresa) e Capital Humano (formação) liderarem o top ten europeu da execução do Feder e do Fundo Social Europeu, como sublinhou o primeiro-ministro, António Costa, na sua intervenção na mesma intervenção. Aliás, como lembrou o ministro do Planeamento, Pedro Marques, desde 2016 que Portugal lidera o ranking da União Europeia em termos de execução dos fundos comunitários, quando a comparação é feita entre países com envelopes financeiros superiores a cinco mil milhões de euros. Uma liderança que aliás já se verificava em 2014 e 2015, ou seja, desde o início do atual quadro comunitário de apoio, que arrancou na legislatura passada.

Na sua quinta visita a Portugal, Corina Cretu não deixou de recordar como ficou impressionada com a tragédia que se abateu o ano passado sobre Portugal, na sequência dos fogos florestais. A responsável lembrou mesmo que fico “muito sensibilizada” quando esteve em Pedrógão Grande e um inglês lhe contou que estava a pensar mudar-se na sequência dos fogos, mas acabou por não o fazer graças ao apoio dos fundos. “A política de Coesão está no terreno a ajudar as pessoas“, frisou a comissária.

António Costa aproveitou a deixa para lembrar como a Política de Coesão “tem dado boas provas de como contribui para o desenvolvimento dos países europeus”. “É a política que traz a política da União Europeia de Bruxelas até cada um de nós: no saneamento, na reabilitação ou nas empresas que criam mais e melhor emprego”, afirmou o primeiro-ministro. “A UE, no dia-a-dia das pessoas, tem a ver sobretudo com a Política de Coesão. Espero que continue a ser um motor de progresso partilhado em toda a UE”, concluiu deixando uma crítica implícita ao corte de 7% que está previsto na Política de Coesão no âmbito das próximas perspetivas financeiras (2021-2027).

Mas o primeiro-ministro também não se esqueceu de mencionar que o segundo pilar da Política Agrícola Comum “é fundamental”. Um pilar cuja dotação a Comissão se prepara para cortar em 15%, apesar de manter o nível dos apoios diretos aos agricultores.

Corina Cretu incitou António Costa a apresentar no Conselho Europeu de dezembro que enfatize as transformações económicas que o país atravessou, e que deve continuar a ser “ambicioso nos objetivos e nos projetos que podem transformar a economia”. “Portugal tem um histórico positivo na apresentação de projetos de elevada qualidade. E com pouco dinheiro consegue desenvolver iniciativas que têm muito impacto”, acrescentou a responsável. A comissária fez questão de elogiar o trabalho dos autarcas e à sua capacidade administrativa.

“Por vezes, em Bruxelas temos dinheiro à espera de bons projetos”, concluiu.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

“Portugal é muito bom a gastar dinheiro”, diz a comissária europeia dos fundos comunitários

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião