Negociações China-EUA animam Wall Street, mas não afastam volatilidade

Apesar dos ganhos, volatilidade nas bolsas norte-americanas poderá manter-se até ser alcançado um acordo entre os dois gigantes, o que só deverá acontecer no final de fevereiro.

Wall Street fecha em alta, graças ao otimismo de Donald Trump em relação a um acordo comercial com a China. O presidente dos EUA, Donald Trump, afirmou esta quarta-feira, em entrevista à Reuters, que não irá tomar qualquer decisão sobre novas subidas nas tarifas aduaneiras às importações chinesas antes de chegar a acordo com Pequim.

O índice industrial Dow Jones fechou com um ganho de 0,64% para 24.527,60 pontos, enquanto o financeiro S&P 500 subiu 0,53% para 2.651,07 pontos e o tecnológico Nasdaq avançou 0,95% para 7.098,31 pontos.

Apesar dos ganhos, os investidores mantêm-se cautelosos em relação à sustentabilidade do rally. As ações tocaram recentemente mínimos intra-diários do ano e encontraram um suporte técnico desde a recuperação

“Já tivemos numerosos testes a esses mínimos. Cada novo teste torna o suporte mais forte. Sabemos onde está o chão mais provável e há isso dá algum conforto ao mercado”, afirmou Robert Phipps, diretor da Per Sterling, à agência Reuters.

O analista sublinhou ainda que, mesmo que os mercados norte-americanos se mantenham acima dos mínimos do ano, é provável que a volatilidade se mantenha até as negociações entre China e EUA terminarem, o que deverá acontecer apenas no final de fevereiro. “Não só é improvável que Trump feche um acordo até ao final de fevereiro como a retórica deverá tornar-se mais abrasiva à medida que se aproxima a data. Há muitos assuntos políticos a pressionarem o mercado”, acrescentou Phipps.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Negociações China-EUA animam Wall Street, mas não afastam volatilidade

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião