Parlamento britânico votará acordo do Brexit em janeiro

  • Lusa
  • 13 Dezembro 2018

Depois de ter sido adiada por May, a votação ao acordo do Brexit vai realizar-se depois de 7 de janeiro, e antes do prazo limite de 21 de janeiro.

O Parlamento britânico votará em janeiro o acordo do ‘Brexit’, que foi negociado entre o Reino Unido e a União Europeia (UE), após o adiamento da votação marcada para esta semana, anunciou esta quinta-feira o Governo britânico.

A votação será realizada após a retomada parlamentar, prevista para 7 de janeiro, e antes do prazo limite de 21 de janeiro, previamente definido pelo executivo.

Vários deputados exigiram que este acordo fosse votado na próxima semana – antes da pausa parlamentar para a época de festas, que começa a 21 de dezembro -, mas a votação não consta da agenda publicada no Twitter pela responsável das relações do Governo com o Parlamento, Andrea Leadsom.

Perante a perspetiva de um grave fracasso, a primeira-ministra britânica, Theresa May, anunciou na segunda-feira o adiamento da votação do acordo, agendado para a terça-feira na Câmara dos Comuns. Theresa May havia prometido aos deputados que a votação ocorreria antes do dia 21 de janeiro.

A primeira-ministra – que resistiu na quarta-feira a um voto de censura do seu partido Conservador – falará na próxima segunda-feira diante da Câmara dos Comuns, depois de participar numa cimeira europeia na quinta e sexta-feira, durante a qual tentará angariar garantias dos líderes europeus para “o acordo Brexit ser capaz de satisfazer o Parlamento britânico”.

Em particular, pretende assegurar que a solução de salvaguarda para a Irlanda do Norte, conhecida por ‘backstop’, é uma medida temporária. Esta disposição prevê, como último recurso, manter o Reino Unido numa união aduaneira com a UE para evitar o regresso de uma fronteira dura na ilha da Irlanda.

O líder da oposição britânica, o trabalhista Jeremy Corbyn, defendeu esta quarta-feira que Theresa May deveria submeter o seu acordo à aprovação do parlamento na próxima semana.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Parlamento britânico votará acordo do Brexit em janeiro

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião