Há mais hóspedes, mas passam menos noites em Portugal. Receitas crescem

Embora o número de hóspedes tenha aumentado em outubro, as dormidas diminuíram, principalmente devido à quebra do número de turistas estrangeiros.

As dormidas nos estabelecimentos hoteleiros nacionais caíram em outubro, mostram os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE). Esta quebra pode ser justificada pela redução das dormidas por parte dos turistas estrangeiros, que também foram menos quando comparados com o mesmo mês do ano passado. As receitas do setor, por seu lado, cresceram.

Passaram pelos estabelecimentos hoteleiros nacionais cerca de dois milhões de hóspedes em outubro, menos 11,6% do que no mês anterior. Desse total, cerca de 1,3 milhões eram oriundos de outros países, enquanto 701 mil eram portugueses. Comparando com outubro do ano passado, observa-se uma subida de 0,7% no número de hóspedes, com destaque para os estrangeiros que diminuíram 2,1%, enquanto os portugueses aumentaram 6,3%.

No que toca a dormidas, estas ascenderam a 5,4 milhões no mesmo mês, o que se traduz numa descida de 0,1% comparativamente com o período homólogo. Aqui o destaque vai para os turistas internacionais que reduziram 3,2% face ao mesmo mês do ano passado, enquanto os portugueses aumentaram 10,8%. Desde o início do ano, essas variações foram de -2,5% e 5,1%, respetivamente.

As principais nacionalidades internacionais que ficaram alojadas em unidades turísticas nacionais observaram uma queda em outubro, com destaque para os britânicos, que recuaram 2,3% face ao mesmo mês do ano passado, os alemães que diminuíram 7,3% e os franceses que deslizaram 2,9%. Contrariamente, os norte-americanos aumentaram 10,3%, os canadianos subiram 14,3%. Os espanhóis dispararam 12,4% em outubro e 1,6% na totalidade do ano.

Perante esta evolução os os proveitos de aposento totalizaram 239,8 milhões, mais 1,7% do que no mesmo mês do ano passado, nota o INE. Os proveitos totais, por seu lado, ascenderam a 332,1 milhões de euros em outubro, o que se traduz num aumento de 2,6% face ao período homólogo.

Hotéis são os preferidos. Norte e Alentejo destacam-se

Os hotéis continuaram a ser os alojamentos preferidos dos turistas, com um aumento de 1% face ao mês homólogo, de acordo com os dados do INE. As dormidas nos apartamentos e nos aldeamentos turísticos também subiram 1,1% e 0,8%, respetivamente. No entanto, as pousadas e os hotéis-apartamentos registaram uma queda de 1,9% e 0,5%, respetivamente.

As zonas norte e o Alentejo foram as mais procuradas, com subidas de 6,1% e 5,5%, respetivamente. Contrariamente, a zona centro observou a maior descida (6,8%). Os turistas ficaram alojados, em média, duas noites, dizem os dados do INE.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há mais hóspedes, mas passam menos noites em Portugal. Receitas crescem

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião