Fatura com salários na Função Pública cresce 1.950 milhões na legislatura

Em tempo de greves, Centeno está no Parlamento a apresentar números para tentar sustentar a aposta nos serviços públicos. "Chegou a hora da cobrança", responde PSD.

A fatura com pessoal na Administração Pública vai crescer esta legislatura 11 vezes mais do que nos 13 anos anteriores. Este é um dos principais números que o ministro das Finanças apresentou esta manhã aos deputados da comissão de Trabalho e Segurança Social e que pretende sustentar a ideia de que o Governo está a apostar nos serviços públicos.

Numa altura em que vários grupos profissionais no Estado têm greves marcadas, Mário Centeno quis mostrar aos deputados que o Governo está a valorizar a Função Pública.

“A despesa com pessoal das Administrações Públicas aumentará 1.950 milhões de euros ao longo da legislatura. Nos 13 anos anteriores (desde 2002) esta despesa aumentou apenas 170 milhões de euros. São mais 11 vezes em apenas 4 anos do que nos 13 anos anteriores”, disse o ministro das Finanças, na Assembleia da República.

O governante acrescentou ainda que “o salário horário médio dos trabalhadores da Administração Pública aumentou cerca de 20% em apenas 4 anos“.

O ministro apresentou também uma lista de medidas já tomadas em várias carreiras, mas garantiu que o que está a ser feito tem sustentabilidade.

“Muitos dizem que este sucesso da sociedade portuguesa gerou expectativas. Serão as expectativas ilegítimas? Claro que não. Terão elas que ser atingidas a qualquer custo, em particular à custa das expectativas de outros cidadãos? Claro que não. Estarão elas a ser satisfeitas, com sustentabilidade e rigor, através das políticas do Governo? Estamos convencidos de que sim”, afirmou Mário Centeno. A tajetória de redução da dívida pública “não vai ser posta em causa”, acrescentou mais adiante.

No entanto, não convenceu a oposição. Com greves à porta, a deputada social-democrata Carla Barros defendeu que o Governo “não consegue traduzir esses indicadores no dia-a-dia das pessoas”, concluindo que “chegou a hora da cobrança”.

"Chegou a hora da cobrança. o senhor ministro [das Finanças] vai ter de explicar o tanto que lhes prometeu.

Carla Barros

Deputada do PSD

Os números de Centeno também não agradaram aos parceiros do Governo. Joana Mortágua, do Bloco de Esquerda, defendeu que este aumento na fatura com pessoal “não chega para tapar o buraco da anterior administração”. Além disso, a deputada acrescenta que este progresso “não está a ser proporcional aos ganhos do PIB”.

Mortágua criticou as negociações na Função Pública para os aumentos salariais e pediu esclarecimentos adicionais sobre o impacto orçamental em 2019 da contagem dos dois anos, nove meses e 18 dias na carreira dos professores. Uma questão que ficou sem resposta.

Na mesma linha, a deputada comunista Rita Rato defendeu que “o país está melhor, mas ainda não está bem”. Mais tarde contestou os números do ministro, defendendo que os trabalhadores da Administração Pública “perderam 33% dos seus rendimentos”, sugerindo assim que o aumento de 20% não é suficiente para compensar as perdas do passado.

Filipe Anacoreta Correia do CDS mostrou-se desiludido com o facto e o Governo ter recebido uma economia a crescer e estar confrontado com greves, problemas no programa de regularização de trabalhadores no Estado.

(Notícia atualizada pela última vez pelas 14:23)

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Fatura com salários na Função Pública cresce 1.950 milhões na legislatura

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião