Trabalhadores do Fisco em greve no final do ano

  • ECO
  • 14 Dezembro 2018

As greves agendadas de 26 a 31 deste mês são uma forma de protesto pelas revisões das carreiras. Governo ainda pode reverter a situação se tomar uma atitude até lá.

Pode apontar mais uma greve no calendário. Os trabalhadores da Autoridade Tributária e Aduaneira (AT) vão fazer greve entre 26 e 31 de dezembro, com o objetivo de forçar o Governo a negociar a revisão das carreiras, avança o Público (acesso condicionado). Em causa estão as revisões das carreiras, com os trabalhadores a exigirem um “articulado da lei” para se fazerem as negociações.

O pré-aviso de greve foi aprovado esta sexta-feira e deverá ser entregue ainda durante o dia de hoje, disse o presidente do Sindicato dos Trabalhadores dos Impostos (STI), Paulo Ralha. Ao todo, estes trabalhadores estarão parados durante seis dias úteis — 26, 27, 28, 29, 30 e 31 de dezembro. Abrangidos estarão os funcionários de toda a máquina fiscal.

De acordo com o Público, estes dias de paralisação coincidem com os últimos dias do ano de cobrança de receita fiscal, uma estratégia já utilizada pelos trabalhadores com o Governo anterior.

Em causa estão as revisões das carreiras especiais da AT. O Executivo já entregou aos trabalhadores um documento de trabalho, mas estes ainda reclamam pela proposta de articulado da lei, que permitirá fazer negociações. Isto é, assim, uma maneira de “desbloquear a entrega do articulado”. “Queremos que o Governo nos entregue rapidamente um articulado para iniciarmos a negociação”, disse Paulo Ralha, que considera este documento já existente como “extremamente genérico”.

Embora a decisão esteja tomada, o Governo ainda pode cancelar estas paralisações se tomar uma atitude entretanto, diz o presidente do sindicato.

(Notícia atualizada às 16h54 com mais informação)

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Trabalhadores do Fisco em greve no final do ano

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião