Há acordo no metro do Porto. Greves foram desconvocadas

  • Lusa
  • 14 Dezembro 2018

As greves agendadas para os próximos dias 17 e 31 foram desconvocadas esta sexta-feira, depois de a ViaPorto ter chegado a um acordo com o sindicato dos maquinistas.

A greve na Metro do Porto, marcada para os dias 17 e 31 de dezembro, foi desconvocada depois de a empresa ter chegado a acordo com o Sindicato dos Maquinistas de Caminho-de-Ferro, anunciou esta sexta-feira aquela estrutura.

A greve dos profissionais da ViaPorto ao serviço da Metro teve na segunda-feira uma “adesão entre os 98% e os 99%”, levando a uma paralisação quase total. Os profissionais ao serviço da Metro do Porto reclamavam uma “redução do horário normal de trabalho de 40 para 35 horas”, relatou então o sindicalista Rui Pedro Pinto.

A isto, somava-se a reivindicação da admissão de “20 a 30 novos trabalhadores” para “colmatar as horas extras” pedidas aos funcionários “quase diariamente”. Os trabalhadores pediam ainda o “direito a férias” que não “conseguem gozar” devido à necessidade de cumprirem trabalho extra, disse Rui Pedro Pinto.

Segundo o sindicalista, os funcionários da ViaPorto pediam também a “formação” a que têm direito e que “a empresa não consegue dar há cerca de oito anos”, por “falta de tempo disponível dos trabalhadores”.

Rui Pedro Pinto admitiu então estar também em cima da mesa de negociações um “aumento salarial”, mas recusou que fosse o “fator mais importante”. A paralisação dos condutores afetos à ViaPorto, empresa que tem a concessão da operação da Metro do Porto, foi convocada pelo Sindicato dos Maquinistas.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Há acordo no metro do Porto. Greves foram desconvocadas

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião