Quase dois terços das obras nos metros do Porto e Lisboa são pagas pelo Estado

As obras de expansão dos dois metros estarão concluídas em 2023. O Orçamento do Estado paga 63% das obras e o restante é financiado por fundos comunitários.

O Governo aprovou esta quinta-feira a autorização para as despesas com as obras de expansão dos metros do Porto e de Lisboa. No conjunto, este investimento está avaliado em 517 milhões de euros, dos quais 63% são financiados pelo Orçamento do Estado, com a restante fatia a ser paga por fundos comunitários.

De acordo com um comunicado do Ministério do Ambiente e da Transição Energética, que tem a tutela dos transportes públicos, as obras do Metro do Porto custam 307 milhões de euros, dos quais 107 milhões são fundos europeus. Já as obras do Metro de Lisboa estão avaliadas em 210 milhões de euros, dos quais 83 milhões resultam de fundos comunitários.

Nos dois casos, as obras começam no primeiro semestre de 2019 e terminam em 2023.

Em Lisboa será construído um “novo troço de dois quilómetros entre o Rato e o Cais do Sodré, com a construção de duas novas estações (Estrela e Santos). A empreitada inclui ainda a remodelação das instalações do Cais do Sodré e intervenções nos viadutos do Campo Grande, de forma a ligar as atuais linhas Verde e Amarela”, revela o comunicado do ministério tutelado por João Matos Fernandes.

Já no Porto, está prevista “a construção de uma nova linha (Linha Rosa) entre a Casa da Música e São Bento, numa extensão de 2,8 quilómetros e com quatro novas estações subterrâneas (Casa da Música, Galiza, Hospital de Santo António e São Bento)”, acrescenta o comunicado.

“A empreitada contempla também a expansão da Linha Amarela, entre Santo Ovídeo e Vila d’Este, com um troço de 3,2 quilómetros e três novas estações (Manuel Leão, Hospital Santos Silva e Vila d’Este), bem como a construção de um Parque de Material e Oficina, em Vila D’Este”, explica ainda o ministério.

O jornalismo continua por aqui. Contribua

Sem informação não há economia. É o acesso às notícias que permite a decisão informada dos agentes económicos, das empresas, das famílias, dos particulares. E isso só pode ser garantido com uma comunicação social independente e que escrutina as decisões dos poderes. De todos os poderes, o político, o económico, o social, o Governo, a administração pública, os reguladores, as empresas, e os poderes que se escondem e têm também muita influência no que se decide.

O país vai entrar outra vez num confinamento geral que pode significar menos informação, mais opacidade, menos transparência, tudo debaixo do argumento do estado de emergência e da pandemia. Mas ao mesmo tempo é o momento em que os decisores precisam de fazer escolhas num quadro de incerteza.

Aqui, no ECO, vamos continuar 'desconfinados'. Com todos os cuidados, claro, mas a cumprir a nossa função, e missão. A informar os empresários e gestores, os micro-empresários, os gerentes e trabalhadores independentes, os trabalhadores do setor privado e os funcionários públicos, os estudantes e empreendedores. A informar todos os que são nossos leitores e os que ainda não são. Mas vão ser.

Em breve, o ECO vai avançar com uma campanha de subscrições Premium, para aceder a todas as notícias, opinião, entrevistas, reportagens, especiais e as newsletters disponíveis apenas para assinantes. Queremos contar consigo como assinante, é também um apoio ao jornalismo económico independente.

Queremos viver do investimento dos nossos leitores, não de subsídios do Estado. Enquanto não tem a possibilidade de assinar o ECO, faça a sua contribuição.

De que forma pode contribuir? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

Obrigado,

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Quase dois terços das obras nos metros do Porto e Lisboa são pagas pelo Estado

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião