Ministério Público de Tóquio deduz nova acusação contra ex-presidente da Nissan

  • Lusa
  • 21 Dezembro 2018

Ministério Público de Tóquio anunciou esta sexta-feira nova acusação contra o ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, preso no Japão por alegadas irregularidades na declaração de rendimentos.

O Ministério Público de Tóquio anunciou esta sexta-feira uma nova acusação contra o ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, preso a 19 de novembro no Japão por alegadas irregularidades na declaração de rendimentos acordada com a empresa, segundo os ‘media’.

A nova acusação, que se soma a duas anteriores, com mandados de prisão diferentes, baseia-se numa alegada violação de confiança agravada que terá prejudicado a Nissan Motor, de acordo com a rede de televisão pública nipónica NHK.

De acordo com a NHK, a acusação está ligada às alegadas tentativas de Ghosn de transferir 1,85 bilhão de ienes (14,5 milhões de euros) para as contas da Nissan relativos a perdas em investimentos pessoais durante a crise financeira que eclodiu em 2008.

No entanto, de acordo com a NHK, quando o regulador do mercado de ações informou o banco envolvido nessas transferências da ilegalidade das suas intenções, Ghosn decidiu recuar.

As duas acusações anteriores referem que Ghosn tentou supostamente esconder rendimentos das autoridades que negociou com a Nissan Motor a partir de 2011 e que, segundo a imprensa local, esperava receber assim que deixasse as suas funções à frente da empresa japonesa.

A decisão do Ministério Público de Tóquio é conhecida quando tinham surgido versões que apontavam para a possibilidade dos advogados de Ghosn tentarem a sua libertação, sob fiança, nas próximas horas.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ministério Público de Tóquio deduz nova acusação contra ex-presidente da Nissan

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião