Tem um Nissan? Marca chama mais de 1.200 veículos à oficina por defeito no airbag

  • Lusa
  • 25 Setembro 2018

A Nissan Portugal está a recolher mais de um milhar de veículos fabricados entre 2004 e 2012. Os proprietários estão a ser contactados por carta registada.

O representante da marca Nissan, em Portugal, está a recolher mais de 1.200 veículos produzidos entre 2004 e 2012 que arriscam problemas nos airbags, informa a Direção-Geral do Consumidor (DGC).

A campanha de recolha refere-se a veículos de passageiros dos modelos Almera (N16), Navara (D22), Patrol (Y61), Terrano II (R20), Tino (V10) e X-Trail (T30), produzidos entre janeiro de 2004 e dezembro de 2012.

“Em caso de acidente, o airbag do passageiro poderá insuflar-se com uma pressão extrema e causar a rotura do corpo do insuflador e consequentemente libertar fragmentos metálicos para o habitáculo”, explica a DGC num aviso publicado na sua página de internet.

A Direção-Geral acrescenta que o representante da marca Nissan está a contactar através de carta, registada com aviso de receção, os proprietários de 1.228 veículos existentes no mercado nacional, para proceder “à substituição do insuflador do ‘airbag’ do passageiro, sem qualquer custo”.

No mesmo aviso, a DGC esclarece que aquele operador económico informou que a campanha de recolha está em curso desde outubro do ano passado.

Num outro alerta, publicado há cerca de duas semanas, em 13 de setembro, a DGC informa estar em curso, pelo mesmo motivo, uma outra campanha de recolha em Portugal de cerca de 40 veículos de passageiros da marca Mitsubishi, modelo i-MiEV.

Essa recolha, segundo informou à DGC o representante da marca Mitsubishi em Portugal, está em curso desde o primeiro quadrimestre deste ano e refere-se a veículos daquele modelo dos anos de 2010 – 2013, que arriscam também problemas nos ‘airbags’ laterais do passageiro, com as partículas metálicas do invólucro do insuflador a poderem soltar-se e provocar lesões ao ocupante.

“A DGC no desempenho das suas funções, enquanto Ponto de Contacto Nacional do Sistema RAPEX (Sistema Europeu de Alerta Rápido para produtos perigosos, não alimentares), transmitiu estas informações às autoridades nacionais de fiscalização do mercado e à Comissão Europeia”, afirma a Direção-Geral na sua página.

Em 2015, num anúncio em Tóquio, a Nissan Motor informou ter decidido, à semelhança de outros fabricantes automóveis japoneses, deixar de utilizar os ‘airbags’ da também nipónica Takata, cujos defeitos têm obrigado à chamada à revisão de milhões de veículos em todo o mundo.

A decisão surgiu depois de a Administração Nacional para a Segurança Rodoviária dos Estados Unidos (NHTSA) aplicar uma multa de 70 milhões de dólares (65 milhões de euros) à Takat, acusada de negligência à informação de falhas no encapsulado metálico que aloja o ‘airbag’, que se pode abrir com demasiada força e projetar fragmentos contra os ocupantes.

Este defeito acabou, na altura, por ser relacionado com a morte de, pelo menos, oito pessoas nos Estados Unidos e na Malásia.

A Nissan juntou-se assim a fabricantes como a Honda, Mazda ou Fuji Heavy (que produz a marca Subaru), que também anunciaram deixar de equipar os automóveis com insufladores da Takata.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Tem um Nissan? Marca chama mais de 1.200 veículos à oficina por defeito no airbag

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião