Banqueiros desvalorizam alerta de Carlos Costa sobre “euforia” no imobiliário

O Banco de Portugal alertou para um cenário de "euforia" no mercado imobiliário. Mas os banqueiros portugueses não estão tão preocupados quanto isso com a alta dos preços.

Carlos Costa, governador do Banco de Portugal, alertou para um cenário de “euforia” no mercado imobiliário e para o perigo de uma bolha no setor para a estabilidade financeira, mas os bancos portugueses não estão tão preocupados quanto isso com a escalada dos preços dos imóveis. No BCP, por exemplo, Miguel Maya revelou que o banco voltou a fazer promoção imobiliária depois de ter sido proibido de o fazer quando obteve ajuda do Estado. António Ramalho, do Novo Banco, disse que “é uma questão perfeitamente gerível” e Pablo Forero, do BPI, lembrou a bolha espanhola para dizer que a “situação em Portugal é bastante razoável”.

“Não vejo grande problema no imobiliário. No BCP, estávamos proibidos de fazer promoção imobiliário. Voltamos a fazer promoção imobiliária, temos parcerias com promotores, mas temos critérios rigorosos e temos regras relacionadas com a capacidade de geração de cash flow e não com as garantias de colateral”, adiantou o presidente executivo do banco na conferência “Banca do Futuro”, organizada pelo Jornal de Negócios.

Miguel Maya acrescentou que Portugal vive hoje em dia um novo “paradigma” no mercado imobiliário mais global e menos doméstico. E é devido à presença do investimento internacional que “dificilmente” vê “os preços na Baixa de Lisboa ou do Porto a descer” para níveis dos últimos anos.

"Não vejo grande problema no imobiliário. No BCP, estávamos proibidos de fazer promoção imobiliário. Voltamos a fazer promoção imobiliária.”

Miguel Maya

Presidente executivo do BCP

Bolha imobiliária? “Temos um mercado quente. Acho que deverá haver um ajustamento dos preços mas será um ajustamento marginal quando daqui a um ano a nova oferta chegar ao mercado”, frisou ainda o presidente executivo do BCP.

Também António Ramalho, do Novo Banco, não está preocupado com o atual ambiente de preços dos imóveis, tendo em conta o passado recente em que “tivemos um grande período de desinvestimento no mercado em que se deixou de construir e de se licenciar”. Deu conta ainda da elevada procura turística e da procura de residentes não habituais com outro poder de compra como fatores que estão a sustentar os preços. E por isso, “o tema do imobiliário é perfeitamente gerível” para os bancos portugueses, assegurou.

Para Paulo Macedo, da Caixa Geral de Depósitos, importa analisar as diferenças entre o mercado residencial nos grandes centros e o mercado de imóveis comerciais, onde “os preços se têm mantido”. Mas o banco público atribui “muita importância” ao assunto até porque tem no seu portefólio aproximadamente 20 mil imóveis que quer vender.

No BPI, o espanhol Pablo Forero recordou a bolha imobiliária que rebentou em Espanha na última década para sublinhar que “a situação em Portugal é bastante razoável”. “Mas há naturalmente que evitar excessos e os bancos estão a fazer um trabalho muito sério”, disse.

"Posso falar da bolha em Espanha, mas a situação do imobiliário em Portugal é bastante razoável. Há naturalmente que evitar excessos, mas os bancos estão a fazer um trabalho muito sério.”

Pablo Forero

Presidente executivo do BPI

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Banqueiros desvalorizam alerta de Carlos Costa sobre “euforia” no imobiliário

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião