Mourinho Félix junta-se aos alertas: “Crédito ao consumo deve ser seguido com muita atenção para evitar que seja concessionado de forma imprudente”

Secretário de Estado das Finanças juntou-se aos alertas do regulador sobre os riscos de excessos dos bancos na concessão de crédito: "É mais uma visão de curto prazo que estratégia de futuro".

As autoridades devem vigiar de perto a evolução do crédito em Portugal para evitar os excessos do passado, alertou esta terça-feira o secretário de Estado Adjunto e das Finanças, Ricardo Mourinho Félix, avisando para os riscos de os bancos colocarem em causa o trabalho na limpeza do malparado nos últimos anos.

“É fundamental uma vigilância na evolução de crédito à economia. O crédito a particulares, em especial o crédito ao consumo, deve ser ser seguido com muita atenção para evitar que seja concessionado de forma imprudente como aconteceu no passado”, sinalizou Mourinho Félix no discurso de abertura da conferência “A Banca do Futuro”, organizada pelo Jornal de Negócios.

“Sem uma avaliação de risco adequada, o aumento do crédito a particulares é uma visão a curto prazo mais do que uma estratégia de futuro”, adiantou ainda, alertando para o “desperdício de oportunidade” que exageros na concessão de empréstimos podem representar para os bancos e os seus acionistas, colocando em causa os esforços na limpeza da carteira de malparado.

"É fundamental uma vigilância na evolução de crédito à economia. O crédito a particulares, em especial o crédito ao consumo, deve ser ser seguido com muita atenção para evitar que seja concessionado de forma imprudente como aconteceu no passado.”

Mourinho Félix

Secretário de Estado das Finanças

“O elevado nível de crédito malparado é ainda uma marca da crise anterior a que os bancos têm sabido dar resposta“, lembrou o governante.

Para Mourinho Félix, “o crédito é um elemento importante para o crescimento da economia, sobretudo se for canalizado para os projetos mais produtivos e que geram mais valor” e se for acompanhado “por uma utilização responsável e avaliação de risco adequada”.

Citando dados mais recentes sobre a evolução do crédito ao consumo, o secretário de Estado disse ainda que é “fundamental acompanhar a eficácia” das medidas implementadas pelo Banco de Portugal, que recomendou um maior aperto nas políticas de concessão de empréstimos à habitação e ao consumo.

Dados do Banco de Portugal mostram que, em julho, os bancos e as financeiras concederam perto de 600 milhões de euros em empréstimos com esse fim, o que corresponde a um aumento de perto de 10% face ao mesmo período do ano passado

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Mourinho Félix junta-se aos alertas: “Crédito ao consumo deve ser seguido com muita atenção para evitar que seja concessionado de forma imprudente”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião