Número de pensões da Segurança social caiu em 2017 e é inferior a 2013

  • ECO
  • 26 Dezembro 2018

Em 2015 e 2016, o número pensões cresceu 0,2% e 0,1%, dada a possibilidade de voltar a aceder às reformas antecipadas, ainda que de forma condicionada. Mas em 2017 voltou a cair (-0,3%).

Em 2017, o número de pensões da Segurança Social voltou a cair ligeiramente (-0,3%), mantendo-se abaixo dos três milhões, um número que já não é superado desde 2013, noticia esta quarta-feira o Jornal de Negócios (acesso pago). O desempenho é explicado pelas regras de acesso às pensões, mas também com a dinâmica do mercado de trabalho.

“Esta evolução tem sido afetada por diversos fatores, de natureza conjuntural (pressão demográfica, evolução da economia) e como resultado das políticas públicas”, justifica o Tribunal de Contas no parecer à Conta Geral do Estado de 2017, publicado a semana passada.

A subida da idade normal da reforma e a suspensão do acesso às pensões antecipadas, em 2014, uma das medidas tomada no âmbito do programa de ajustamento financeiro, “contribuíram para inverter a tendência crescente” verificada até 2013. Mas nos dois anos seguintes, a possibilidade de voltar a aceder às reformas antecipadas, ainda que de forma condicionada, aliada ao envelhecimento da população e ao comportamento do mercado de trabalho, o número pensões voltou a crescer 0,2% e 0,1%, respetivamente.

A dinâmica voltou a inverter-se, o ano passado, com uma ligeira regressão (-0,3%), “o que parece ter resultado de uma maior dinâmica do mercado de trabalho que acomodou, neste ano, uma parte do designado desemprego estrutural”, avança o Tribunal de Contas.

De sublinhar que na Caixa Geral de Aposentações teve um desempenho contrário com uma progressão de 0,5% no número de pensões, em 2017, que resulta num crescimento de 5,2% em quatro anos — o que compara com uma contração de 0,5% na Segurança Social.

Mas se em número o comportamento é contrário, em termos de despesa em ambos os casos há uma subida: a despesa total com pensões e complementos tanto da CGA como da Segurança Social aumentou 4,3% entre 2013 e 2017.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Número de pensões da Segurança social caiu em 2017 e é inferior a 2013

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião