Depois do Rossio, britânicos da Jackyl investem 28 milhões em Oeiras

Um ano depois de ter comprado um conjunto de imóveis no Rossio, a britânica Jackyl adquiriu agora um lote em Oeiras com mais de 180 mil metros quadrados.

A britânica Jackyl comprou recentemente um lote de terreno em Oeiras por 28 milhões de euros. Esta já é a segunda aquisição que a empresa faz em território nacional, depois de ter adquirido um conjunto de edifícios no Rossio em fevereiro do ano passado.

Em parceria com a ByBrook Capital, a Jackyl concluiu com sucesso a compra de um lote em Oeiras com 186 mil metros quadrados por 25 milhões de libras (28 milhões de euros), anunciou a empresa em comunicado, enviado ao ECO. “Este é o nosso segundo negócio em Portugal este ano, e estou muito satisfeito com isso”, diz Blake Loveless, fundador da Jackyl. De acordo com fontes do mercado contactadas pelo ECO, o lote está localizado entre Alfragide e Carnaxide.

“Este negócio deveu-se tanto ao momento positivo do mercado — incluindo o potencial de crescimento e o valor relativo –, como às características de negócio muito específicas e diferenciadas”. Este investimento foi assessorado, entre outros, por empresas nacionais tais como os escritórios de advogados PLMJ e VdA e a consultora EY. Contactada pelo ECO, a Jackyl não quis fazer qualquer comentário sobre a transação.

Investimento em Lisboa não é novidade

A primeira aquisição da Jackyl aconteceu no ano passado, em fevereiro, quando comprou um conjunto de edifícios nos números 96 ao 122 da Praça D. Pedro IV, no Rossio, a um investidor privado, não sendo conhecido o valor desse investimento. Para esses imóveis, na parte de baixo estavam previstas grandes lojas e nos andares de cima apartamentos de luxo.

“Estamos entusiasmados com este edifício que, estando localizado num dos mercados mais interessantes da Europa, é a nossa primeira aquisição desde o lançamento da Jackyl este ano”, disse, na altura, Blake Loveless. “Está alinhada com a nossa estratégia de adquirir edifícios únicos, bem localizados e significativos, e que beneficiem de uma presença dominante nas principais cidades da Europa”.

O ECO sabe que para já não está em curso mais nenhuma operação da Jackyl no mercado nacional, mas a empresa está muito atenta a novas oportunidades que possam surgir.

Criada no ano passado, a Jackyl está atualmente presente em cinco cidades — Londres (onde está sediada), Paris, Madrid, Lisboa e Nassau. O ano passado, em maio, adquiriu 39 apartamentos na South Bank Tower, em Londres, naquele que foi o segundo negócio da empresa. “O nosso objetivo é deixar a nossa marca no mercado imobiliário de Londres e não há melhor maneira de começar isso do que com a aquisição desta impressionante torre ao longo do icónico rio Tamisa”, comentou, na altura da aquisição, Loveless.

No ano passado, a empresa alcançou um volume de transações de cerca de 500 milhões de euros por toda a Europa, onde se incluem os edifícios na Praça do Rossio e os apartamentos na South Bank Tower.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois do Rossio, britânicos da Jackyl investem 28 milhões em Oeiras

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião