Miguel Vieira quer cotas para produtos portugueses

  • Lusa e ECO
  • 13 Janeiro 2019

O designer Miguel Vieira defende um maior apoio do Governo e dos industriais aos criadores portugueses.

O ‘designer’ Miguel Vieira pede ao Governo e aos industriais têxteis o apoio aos criadores portugueses, cotas “para haver um produto português” e “uma grande campanha para se consumir o que é português”. Miguel Vieira apresentou este domingo a coleção outono-inverno/2020 na semana da moda masculina de Milão (Itália) e, em entrevista à agência Lusa, assume um discurso reivindicativo.

Segundo aquele criador, os ‘designers’ não estão a ter oportunidade, porque, ao quererem fazer uma peça básica numa fábrica, “essa fábrica diz que têm de se fazer dez mil peças ou três mil peças”, e se os criadores quiserem fazer uma peça só com um detalhe ou com um colarinho ao contrário, então é uma “guerra gigante”. “No fundo, ao fazer os desfiles cá fora somos um bocadinho os que montamos a tenda, fazemos o circo, fazemos tudo, para os industriais depois venderem. E eles é que têm os milhões e os biliões e nós [criadores] estamos constantemente a investir dinheiro” para fazer as coleções.

Em entrevista à Lusa depois de apresentar este domingo à tarde 40 coordenados da nova coleção, “Um inverno em África”, que deve chegar às lojas a partir de 15 de agosto, o criador assume que o Governo e os empresários portugueses deveriam apoiar mais os ‘designers’, porque Portugal não é um país com tradição na moda.

Miguel Vieira teve, nas suas próprias palavras, hoje uma “descarga de emoção” no fim do desfile, porque foi especialmente complicado apresentar a coleção outono-inverno/2020, pois as fábricas estiveram fechadas no período do Natal e só reabriram no dia 7 de janeiro. “As fábricas começaram a trabalhar esta semana, dia 07, e, portanto, tive de ter uma coleção quase pronta em novembro e novembro é uma corrida muito grande, porque Portugal, Espanha e Itália, que são três países em que dependemos de tecido, sapatos, peles, etc e tudo estava fechado”.

A coleção de Miguel Vieira foi hoje vista por cerca de 500 pessoas na Via Tortona 54 de Milão e o desfile abriu ao som de ‘Do I Wanna Know?’, da banda britânica Artic Monkeys, com o modelo português Francisco Henriques, 23 anos, que também desfilou para a marca Dolce & Gabbana, num fato de calça e casaco cor azul céu.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Miguel Vieira quer cotas para produtos portugueses

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião