FMI sugere reforma das pensões em Portugal para “racionalizar acordos generosos”

  • ECO e Lusa
  • 16 Janeiro 2019

FMI estima que despesa com pensões suba entre 1 a 2,5 pontos do PIB até 2050 e alerta que em Portugal e Itália é necessário “racionalizar acordos generosos em reformas anteriores”.

O Fundo Monetário Internacional (FMI) estima que a despesa pública com pensões aumente entre 1 a 2,5 pontos percentuais do PIB nas economias avançadas e emergentes até 2050, recomendando que Portugal racionalize “acordos generosos em reformas anteriores”.

O recado não se dirige apenas a Portugal, mas também a Itália. No relatório “The Future of Saving: The Role of Pension System Design in an Aging World”, divulgado esta quarta-feira pela instituição pouco mais de diz relativamente a Portugal que não seja países como Portugal e Itália podem precisar de “racionalizar acordos generosos em reformas anteriores”.

Para lidar com os custos decorrentes do envelhecimento da população, muitos países encetaram reformas significativas nas pensões nos últimos anos”, refere o FM, frisando que “essas reformas visam, em grande medida, conter o crescimento do número de pensionistas, tipicamente mudando os parâmetros chave do sistema de pensões”, por exemplo, através do aumento da idade de reforma, de regras mais exigentes e da redução das pensões ajustando as fórmulas de benefícios.

“Muitas destas reformas paramétricas melhoraram a sustentabilidade de longo prazo dos sistemas de pensões”, indica a instituição, referindo, contudo, que podem ser necessárias reformas adicionais, por exemplo, “racionalizar acordos generosos em reformas anteriores (Itália, Portugal); reduzir os rácios de benefícios (Argentina, Brasil); e reduzir os benefícios de reformas antecipadas (Rússia)”.

Por outro lado, uma das principais conclusões do relatório é a de que de acordo com as políticas atuais, os gastos com pensões em economias de mercado avançadas e emergentes aumentarão em média entre 1 e 2,5 pontos percentuais do PIB [Produto Interno Bruto], respetivamente, até 2050”, lê-se no documento.

De acordo com o Fundo Monetário Internacional (FMI), sem mexidas nos impostos e alterações na despesa, “este aumento levará a um declínio proporcional na poupança pública”.

A instituição liderada por Christine Lagarde refere que, em muitas economias avançadas, “os jovens terão de poupar significativamente mais e adiar a reforma” para poderem ter uma pensão semelhante à dos aposentados de hoje.

O relatório conclui também que a poupança privada “cairá mais rapidamente nos países com generosos sistemas públicos de pensões”, pelo que a instituição recomenda que a poupança para a reforma deve ser incentivada.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

FMI sugere reforma das pensões em Portugal para “racionalizar acordos generosos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião