Governo confirma aumento das pensões entre 0,78% e 1,60%

  • Lusa
  • 17 Janeiro 2019

O Governo publicou, esta quinta-feira, em Diário da República a portaria que confirma o aumento das pensões entre 0,78% e 1,60%.

O Governo publicou, esta quinta-feira, a portaria que confirma que o andamento da inflação e o crescimento da economia asseguram em 2019 um aumento de todas as pensões entre os 0,78% e os 1,60%.

O aumento reflete a subida do valor médio de crescimento real do Produto Interno Bruto (PIB) nos últimos dois anos terminados no terceiro trimestre de 2018, apurada a partir das contas nacionais trimestrais do Instituto Nacional de Estatística (INE), que foi de 2,58 % e a variação média do IPC (Índice de Preços no Consumidor) nos últimos 12 meses, sem habitação, disponível em dezembro de 2018, que foi de 1,03%.

Assim, as pensões e outras prestações atribuídas pelo sistema de segurança social e as pensões de aposentação, reforma e invalidez atribuídas pela Caixa Geral de Aposentações (CGA), de montante igual ou inferior a duas vezes o valor do indexante dos apoios sociais (IAS), são atualizadas em 2019, em 1,60%, as de valor compreendido entre duas vezes e seis vezes o valor do IAS são atualizadas em 1,03%, e as de valor superior a seis vezes o valor do IAS, são atualizadas em 0,78%.

A portaria, publicada em Diário da República e assinada em conjunto pelo ministro das Finanças, Mário Centeno, e pelo ministro do Trabalho, José António Vieira da Silva, produz efeitos desde 01 de janeiro de 2019.

Esta atualização regular, em linha com o previsto na lei que regula o aumento das pensões, abrange 3,5 milhões de pensões pagas a um total de 2,8 milhões de pensionistas.

Há ainda um grupo de cerca de 1,6 milhões de pensionistas que recebe pensões até 1,5 IAS (653,64 euros) que terá em janeiro um aumento extraordinário de 10 euros e de seis euros – estando neste segundo caso os que recebem uma pensão que tenha sido atualizada entre 2011 e 2015.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Governo confirma aumento das pensões entre 0,78% e 1,60%

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião