Os robôs vêm aí. OIT deixa dez apelos para proteger os trabalhadores

A agência da ONU que se dedica ao trabalho acaba de publicar um novo relatório, no qual deixa dez recomendações aos líderes mundiais. Apela à proteção dos trabalhadores do futuro robotizado.

À boleia das novas tecnologias, da robotização, dos novos desafios demográficos e até das alterações climáticas, a transformação do mercado do trabalho passou de hipótese a certeza. A conclusão é Organização Mundial do Trabalho (OIT), que pede, por isso, aos líderes mundiais que zelem pela proteção dos trabalhadores. “As novas forças estão a transformar o mundo do trabalho. Essas transições envolvem ações decisivas“, defende a agência das Nações Unidas, no seu relatório “Trabalhar Para um Futuro Mais Promissor”, divulgado esta terça-feira.

“Há inúmeras oportunidades no horizonte para melhorar a qualidade do trabalho, alargar as escolhas, diminuir o fosso salarial entre géneros e reverter os danos causados pela desigualdade global. Sem uma ação decisiva vamos ficar sonâmbulos num mundo onde se registará o agravamento das desigualdades e incertezas já existentes”, sublinha a OIT, que deixa múltiplas recomendações (divididas em três pilares: Investir no trabalho digno, nas pessoas e nas instituições) aos primeiros-ministros, presidentes, enfim líderes de todo o mundo.

São dez os apelos deixados pela OIT:

  1. Reconhecer o direito à aprendizagem ao longo da vida (para melhorar competências dos trabalhadores e permitir o desenvolvimento de novas habilidades);
  2. Fomentar o investimento em instituições, políticas e estratégias que apoiem os trabalhadores neste momento de transformação laboral;
  3. Apostar no debate criado em torno da igualdade de género;
  4. Reforçar a proteção social (cobrindo toda a vida dos cidadãos, do nascimento à velhice);
  5. Introduzir uma “garantia universal de emprego”, que proteja os direitos fundamentais dos trabalhadores (“salário adequado, horários de trabalho claramente delimitados e ambientes de trabalho saudáveis”);
  6. Apostar no horário de trabalho mais flexível, usando a tecnologia como meio para fortalecer o equilíbrio trabalho – vida pessoal.
  7. Reforçar o papel dos sindicatos e das representações coletivas dos trabalhadores, promovendo a negociação e o debate;
  8. Usar a tecnologia para fomentar “trabalho decente”, nomeadamente através da garantia de que as decisões finais dos processos realizados por mecanismos de Inteligência Artificial são tomadas por humanos.
  9. Fomentar os investimentos em áreas chave como o trabalho sustentável e “decente”.
  10. Incentivar as empresas a fazerem investimentos a longo termo.

De acordo com o relatório publicado esta terça-feira, a inteligência artificial, a automação e a robótica serão as principais causas da eliminação de postos de trabalho humanos, já que tornarão muitas das competências humanos obsoletas. A propósito, a OIT lembra que, segundo o Banco Mundial, cerca de dois terços dos empregos atuais serão total ou parcial automatizados, nas próximas décadas. Ainda assim, a agência da ONU sublinha que essas mesmas “forças” criarão novas oportunidades.

“O mundo do trabalho está a viver grandes mudanças. Essas alterações criam muitas oportunidades para mais e melhores empregos. Os Governos, sindicatos e trabalhadores precisam de cooperar para fazer as economias e os mercados mais inclusivos. Tal diálogo social pode contribuir para o bom funcionamento da globalização”, corrobora Stefan Löfven, primeiro-ministro sueco e co-chairman da agência da ONU em causa.

Este relatório — que será apresentado, esta terça-feira, e marca o início das comemorações do centenário da organização — é publicado poucos dias depois da Confederação Empresarial de Portugal (CIP) ter divulgado um estudo em que se concluiu que os robôs irão eliminar cerca de 1,1 milhões de empregos em Portugal até 2030, tendo mesmo 1,8 milhões de portugueses de encontrar uma ocupação laboral diferente da que exercem atualmente.

O ECO recusou os subsídios do Estado. Contribua e apoie o jornalismo económico independente

O ECO decidiu rejeitar o apoio público do Estado aos media, porque discorda do modelo de subsidiação seguido, mesmo tendo em conta que servirá para pagar antecipadamente publicidade do Estado. Pelo modelo, e não pelo valor em causa, cerca de 19 mil euros. O ECO propôs outros caminhos, nunca aceitou o modelo proposto e rejeitou-o formalmente no dia seguinte à publicação do diploma que formalizou o apoio em Diário da República. Quando um Governo financia um jornal, é a independência jornalística que fica ameaçada.

Admitimos o apoio do Estado aos media em situações excecionais como a que vivemos, mas com modelos de incentivo que transfiram para o mercado, para os leitores e para os investidores comerciais ou de capital a decisão sobre que meios devem ser apoiados. A escolha seria deles, em função das suas preferências.

A nossa decisão é de princípio. Estamos apenas a ser coerentes com o nosso Manifesto Editorial, e com os nossos leitores. Somos jornalistas e continuaremos a fazer o nosso trabalho, de forma independente, a escrutinar o governo, este ou outro qualquer, e os poderes políticos e económicos. A questionar todos os dias, e nestes dias mais do que nunca, a ação governativa e a ação da oposição, as decisões de empresas e de sindicatos, o plano de recuperação da economia ou os atrasos nos pagamentos do lay-off ou das linhas de crédito, porque as perguntas nunca foram tão importantes como são agora. Porque vamos viver uma recessão sem precedentes, com consequências económicas e sociais profundas, porque os períodos de emergência são terreno fértil para abusos de quem tem o poder.

Queremos, por isso, depender apenas de si, caro leitor. E é por isso que o desafio a contribuir. Já sabe que o ECO não aceita subsídios públicos, mas não estamos imunes a uma situação de crise que se reflete na nossa receita. Por isso, o seu contributo é mais relevante neste momento.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Os robôs vêm aí. OIT deixa dez apelos para proteger os trabalhadores

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião