Ex-FMI: Setor financeiro em Paris e Frankfurt depois do Brexit? “É de doidos”

  • Guilherme Monteiro
  • 23 Janeiro 2019

Antigo economista-chefe do FMI considera que o bloco europeu tem sido duro com o Reino Unido no processo de saída do país da União Europeia. Kenneth Rogoff apela a cuidado no divórcio.

O antigo economista-chefe do FMI, Kenneth Rogoff, considera que a “União Europeia está a ser muito dura com o Reino Unido” na questão da saída do país do bloco europeu.

Em declarações à Euronews, à margem do Fórum Económico Mundial, em Davos, o professor de economia de Harvard diz ainda que “a ideia que o setor financeiro vai mudar para Frankfurt e Paris é de doidos! Não vai acontecer. Isso pode demorar décadas”.

O antigo responsável do FMI alerta ainda que com o divórcio entre os britânicos e os europeus “a produtividade vai sofrer um choque na Europa”, pelo que avisa que é necessário cuidado no “divórcio entre o setor financeiro e Londres”.

Saída de empresas do Reino Unido

Ainda esta quarta-feira, a Sony retirou a sede europeia de Londres pelo receio de eventuais procedimentos alfandegários que a empresa possa vir a sofrer com a saída do Reino Unido da União Europeia, apesar de manter uma representação na capital britânica. Segundo o jornal financeiro Nikkei, a tecnológica japonesa deverá fundir a Sony Europe, que atualmente tem sede em Londres, com uma subsidiária em Amesterdão.

O governo holandês confirmou também esta quarta-feira à agência noticiosa France Presse que está a negociar com mais 250 empresas, que podem também estar interessadas em trocar a sede do Reino Unido para a Holanda.

Já o ano passado, a japonesa Panasonic transferiu a sede europeia do Reino Unido para os os Países Baixos devido aos constrangimentos que o divórcio do país com o grupo dos 27 poderá vir a causar.

Nesta altura, Theresa May, vive um impasse em Londres, face às dificuldades de agradar a gregos e a troianos. Por um lado, tenta recolher uma maioria de deputados britânicos que lhe aprovem um plano B e, por outro, tenta concessões por parte dos parceiros europeus que se têm recusado a renegociar um acordo negociado durante os últimos dois anos, sem que o Reino Unido diga claramente o que pretende.

O plano B da primeira-ministra britânica foi apresentado, na Câmara dos Comuns, na passada segunda-feira e vai a votos já na próxima semana, a 29 de janeiro, depois do acordo inicial ter sido chumbado por uma histórica e pesada maioria.

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Ex-FMI: Setor financeiro em Paris e Frankfurt depois do Brexit? “É de doidos”

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião