Revista de imprensa internacional

Dois meses depois de ser detido, Ghosn decide demitir-se da Renault, onde deverá ser substituído pelo CEO da Michelin. Pela China, a Microsoft vê o motor de busca Bing ser bloqueado.

Dois meses depois de ser detido, Ghosn decide demitir-se da Renault, onde ocupava o cargo de chairman. O CEO da Michelin deve ser o sucessor. Já pela Venezuela, o presidente da Assembleia Nacional estuda os próximos passos, depois de se autoproclamar chefe de Estado. A Microsoft tem também de estudar o caminho a seguir, depois de ver o Bing, o último motor de busca estrangeiro que se podia aceder no país, bloqueado pelo Governo. Pelo Reino Unido, a Airbus ameaça sair de o Brexit acontecer sem acordo. Veja estas e outras notícias que marcam a atualidade internacional.

CNN

Carlos Ghosn demitiu-se da Renault

Carlos Ghosn, detido há dois meses no Japão, demitiu-se da presidência da fabricante de automóveis Renault, anunciou o ministro das Finanças francês, Bruno Le Maire. O conselho de administração da Renault vai reunir-se nesta quinta-feira para decidir quem será o sucessor de Ghosn. Deverá ser o CEO da Michelin a assumir a presidência do conselho, enquanto Thierry Bollore, que já estava a desempenhar funções executivas, ascende a CEO da Renault.

Leia a notícia completa na CNN (acesso livre, conteúdo em inglês).

Financial Times

Motor de busca Bing bloqueado na China

A Microsoft anunciou que o seu serviço de motor de busca, Bing, foi bloqueado na China. A tecnológica fundada por Bill Gates indicou que estão ainda a determinar os próximos passos. A decisão terá mesmo partido do Governo chinês, de bloquear aquele que era o único motor de busca estrangeiro a que se podia aceder dentro do país. Não é a primeira vez que a Microsoft enfrenta restrições na China depois de, em 2017, ver o Skype retirado das lojas de apps da Apple e Android.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Reuters

Depois da autoproclamação, Guaidó quer manter a pressão

O presidente da Assembleia Nacional venezuelana, Juan Guaidó, autoproclamou-se chefe de Estado do país na quarta-feira, e já recebeu o apoio de vários países, como os EUA e o Canadá. Agora, para o engenheiro industrial de 35 anos, é tempo de continuar a pressionar Nicolas Maduro, que se recusa a sair do poder. Entre os objetivos de Guaidó está a realização de eleições livres, um governo de transição e uma amnistia para os oficiais militares, se estes ajudarem a tirar Maduro do poder.

Leia a notícia completa na Reuters (acesso livre, conteúdo em inglês).

The Guardian

Airbus ameaça sair do Reino Unido com Hard Brexit

Para a fabricante europeia Airbus, a forma como o Governo britânico está a lidar com o Brexit é “uma desgraça”. Se a saída do Reino Unido da União Europeia acontecer sem um acordo, a Airbus pode sair do país, avisa o CEO Tom Enders. “Dizem que, por termos fábricas enormes, não vamos sair e ficaremos sempre cá”, mas “estão errados”, aponta Enders, numa mensagem em vídeo. A fabricante emprega mais de 14 mil pessoas, em 25 locais no Reino Unido.

Leia a notícia completa no The Guardian (acesso livre, conteúdo em inglês).

Bloomberg

Real Madrid destrona Manchester como clube mais rico

Apesar de a lista dos clubes de futebol mais ricos ser dominada pelos ingleses, os dois grandes espanhóis conseguem os lugares do topo. O Real Madrid subiu uma posição e encabeça agora o ranking elaborado pela Deloitte, com ganhos de 750,9 milhões de euros, seguido pelo Barcelona, que ascendeu também um lugar. Já o Manchester United caiu da primeira posição, que ocupou nos últimos dois anos, para o terceiro lugar, com uma faturação de 666 milhões de euros.

Leia a notícia completa no Financial Times (acesso condicionado, conteúdo em inglês).

Contribua. A sua contribuição faz a diferença

Precisamos de si, caro leitor, e nunca precisamos tanto como hoje para cumprir a nossa missão. Que nos visite. Que leia as nossas notícias, que partilhe e comente, que sugira, que critique quando for caso disso. A contribuição dos leitores é essencial para preservar o maior dos valores, a independência, sem a qual não existe jornalismo livre, que escrutine, que informe, que seja útil.

A queda abrupta das receitas de publicidade por causa da pandemia do novo coronavírus e das suas consequências económicas torna a nossa capacidade de investimento em jornalismo de qualidade ainda mais exigente.

É por isso que vamos precisar também de si, caro leitor, para garantir que o ECO é económica e financeiramente sustentável e independente, condições para continuar a fazer jornalismo rigoroso, credível, útil à sua decisão.

De que forma? Contribua, e integre a Comunidade ECO. A sua contribuição faz a diferença,

Ao contribuir, está a apoiar o ECO e o jornalismo económico.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Revista de imprensa internacional

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião