Depois da saída de Ghosn, CEO da Nissan anuncia demissão

O atual CEO da Nissan disse que, após fazer a aliança Renault-Nissan recuperar dos últimos escândalos que envolveram Carlos Ghosn, vai demitir-se.

Depois da prisão e demissão de Carlos Ghosn da Renault, Hiroto Saikawa anunciou a sua demissão da Nissan. Este anúncio acontece na sequência do escândalo que envolveu a Renault, visto que as duas empresas mantêm uma aliança desde 1999. Saikawa quer revitalizar o grupo mas, ainda antes da reunião anual de junho, espera abandonar a cadeira da presidência.

“Eu devia passar o bastão depois de colocar novamente a empresa [Renault-Nissan] no caminho certo e penso que não devia demorar muito para alcançar esse objetivo”, disse o atual CEO da Nissan, em conferência de imprensa, citado pelo Japan Times (conteúdo em inglês). “Junho não é o prazo e tentarei cumprir com a minha responsabilidade o mais rapidamente possível, para que eu possa passar o bastão”.

Ainda que não tenha definido uma data para a sua saída da administração da Nissan, Saikawa disse que queria fazer a empresa recuperar deste escândalo porque “há muitos problemas para resolver” até junho, altura em que a empresa japonesa vai realizar a sua reunião anual. Até lá, a prioridade será rever toda a liderança.

Estas declarações foram proferidas um dia depois de Carlos Ghosn ter sido substituído por Jean-Dominique Senard na presidência da Renault, parte da Renault-Nissan. Saikawa disse esta sexta-feira que já conversou com Senard e que os dois se comprometeram a trabalhar juntos na administração desta aliança francesa-japonesa. Contudo, recusou comentar mais detalhes desta conversa.

Em novembro, a Renault avançou com uma auditoria interna às remunerações de Ghosn, acusado no Japão de dissimular rendimentos. Acabou por ser detido acusado de fraude fiscal e não tardou até a Nissan começar a acionar os meios necessários para terminar o seu contrato, o que acabou por acontecer a 22 de novembro, decidido por unanimidade. Caso o empresário venha mesmo a ser condenado, a pena de prisão pode ser de dez anos.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

Depois da saída de Ghosn, CEO da Nissan anuncia demissão

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião