Louis Vuitton com vendas recorde. Marca de luxo atenta à “incerteza” económica

O ano do grupo francês foi marcado pelos bons resultados. Contudo, Bernard Arnault não deixa cair o alerta: é preciso estar atento ao contexto económico, que "continua a ser de incerteza".

A Louis Vuitton Moët Hennessy (LVMH) atingiu vendas recorde. O sucesso da marca, sobretudo nas divisões de moda e marroquinaria, ditou um forte crescimento das receitas, fazendo aumentar de forma expressiva os lucros do grupo de luxo francês. Apesar dos bons resultados, a LVMH mantém-se em alerta perante a economia. Diz que o contexto “continua a ser de incerteza”.

De acordo com o Cinco Días (acesso livre, conteúdo em espanhol), face ao período homólogo, as vendas do grupo LVMH aumentaram 11% em 2018, para 46.826 milhões de euros. Este valor representa o melhor de sempre da história do grupo liderado por Bernard Arnault. E, com as vendas a crescerem consideravelmente, também os lucros do grupo francês aumentaram, na ordem dos 18%.

As divisões de moda e de marroquinaria foram as que mais passaram fatura, representando cerca de 40% das vendas do grupo. Já a secção dos perfumes e dos cosméticos foi a segunda divisão onde se verificou o maior número de vendas (14%), seguindo-se a secção dos relógios e de joalharia (12%).

Contudo, os bons resultados da empresa não foram suficientes para anular a preocupação com o atual contexto de incerteza. Bernard Arnault, presidente executivo do grupo, manteve o alerta. “Num contexto que continua a ser de incerteza, contamos com a atratividade das nossas marcas e a agilidade das nossas equipas para avançar e melhorar a gama dos produtos de alta qualidade”, disse em comunicado.

Já os planos para este ano continuam a privilegiar a aposta na inovação, de forma a seguir a tendência registada em 2018. “A LVMH seguirá em 2019 com uma forte dinâmica de inovação, de investimentos concretos, misturando tradição e modernidade”, acrescentou.

Comentários ({{ total }})

Louis Vuitton com vendas recorde. Marca de luxo atenta à “incerteza” económica

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião