5 coisas que vão marcar o dia

É um dia grande no Parlamento. Ao debate quinzenal centrado nas políticas sociais, tema escolhido pelo primeiro-ministro, juntam-se a audição de quatro ministros. INE divulga dados do desemprego.

Esta quarta-feira as atenções estarão centradas na Assembleia da República com o debate quinzenal, dedicado às políticas sociais em lugar de destaque. Por seu turno, os ministros Mário Centeno, Pedro Marques, Marta Temido e Tiago Brandão Rodrigues serão ouvidos nas respetivas comissões. Ainda no Parlamento é dia de votação da proposta do PS para o reforço da transparência no exercício de funções públicas. Em termos estatísticos, o dia fica marcado pelos dados do emprego, divulgados pelo INE, relativos ao quarto trimestre de 2018.

Quatro ministros em audições no Parlamento

No Parlamento é dia de audições. Mário Centeno, Pedro Marques, Marta Temido e Tiago Brandão Rodrigues sobem às respetivas comissões. Enquanto o ministro das Finanças é ouvido no âmbito de apreciação da conta geral do Estado 2017, o ministro do Planeamento e Infraestruturas tem a agenda mais recheada. A assinatura do acordo entre Governo e Ana para a construção do aeroporto do Montijo passando pela situação dos CTT serão alguns dos temas quentes. Quanto à ministra da Saúde, que tem o setor a ferroe fogo, terá que responder pela Parceria Pública Privada do Hospital de Braga. Já o ministro da Educação fará uma apreciação da política geral do ministério, num momento em que os professores continuam a exigir o reconhecimento de nove anos, quatro meses e dois dias para as progressões na carreira.

Costa escolhe políticas sociais para debate quinzenal

Em dia de debate quinzenal, António Costa escolheu como tema central para o debate na Assembleia da República as políticas sociais. O tema não podia estar mais atual e deverá proporcionar um debate acalorado depois de, nas duas últimas semanas, as questões da segurança e da habitação, a contestação social dos enfermeiros e professores, as políticas de ressocialização de reclusos e a educação terem estado na ordem do dia.

Desemprego estável no quarto trimestre? INE responde

Depois de seis trimestres consecutivos em queda, a taxa de desemprego relativa ao terceiro trimestre de 2018 estabilizou nos 6,7% face ao trimestre anterior e registou uma descida de 1,8 pontos percentuais em relação ao período homólogo. A grande questão é perceber como evoluiu este indicador no último trimestre do ano. Estará o desemprego a estabilizar? A questão será respondida esta quarta-feira quando forem conhecidas as estatística do emprego relativas ao período compreendido entre outubro e dezembro e a taxa anual apurada para 2018. Em 2017 a taxa de desemprego situou-se nos 8,9%.

Proposta do PS para reforço da transparência no exercício de funções públicas vai a votos

A proposta do PS na Comissão Eventual para o reforço da transparência no exercício de funções públicas será votada esta quarta-feira. Os socialistas propõem a criação de um comité de ética, para vigiar, pronunciar-se e decidir sobre falhas graves dos deputados à Assembleia da República. Para as irregularidades haverá punição com multas, podendo até haver casos em que seja feita uma participação ao Ministério Público.

Assinatura do Pacto para a Conciliação

O primeiro encontro do Pacto para a Conciliação, projeto-piloto da iniciativa do Governo no âmbito do “3 em Linha Programa para a Conciliação da Vida Profissional, Pessoal e Familiar”, lançado em dezembro, realiza-se esta quarta-feira e vai contar com a participação da ministra da Presidência e da Modernização Administrativa, Maria Manuel Leitão Marques e da secretaria de Estado para a Cidadania e Igualdade, Rosa Monteiro. O Pacto para a Conciliação junta atualmente 52 organizações entre organizações da Administração Pública, empresas públicas, câmaras e empresas privadas. No final do encontro será assinado o Pacto para a Conciliação.

Quanto vale uma notícia? Contribua para o jornalismo económico independente

Quanto vale uma notícia para si? E várias? O ECO foi citado em meios internacionais como o New York Times e a Reuters por causa da notícia da suspensão de António Mexia e João Manso Neto na EDP, mas também foi o ECO a revelar a demissão de Mário Centeno e o acordo entre o Governo e os privados na TAP. E foi no ECO que leu, em primeira mão, a proposta de plano de recuperação económica de António Costa Silva.

O jornalismo faz-se, em primeiro lugar, de notícias. Isso exige investimento de capital dos acionistas, investimento comercial dos anunciantes, mas também de si, caro leitor. A sua contribuição individual é relevante.

De que forma pode contribuir para a sustentabilidade do ECO? Na homepage do ECO, em desktop, tem um botão de acesso à página de contribuições no canto superior direito. Se aceder ao site em mobile, abra a 'bolacha' e tem acesso imediato ao botão 'Contribua'. Ou no fim de cada notícia tem uma caixa com os passos a seguir. Contribuições de 5€, 10€, 20€ ou 50€ ou um valor à sua escolha a partir de 100 euros. É seguro, é simples e é rápido. A sua contribuição é bem-vinda.

António Costa
Publisher do ECO

5€
10€
20€
50€

Comentários ({{ total }})

5 coisas que vão marcar o dia

Respostas a {{ screenParentAuthor }} ({{ totalReplies }})

{{ noCommentsLabel }}

Ainda ninguém comentou este artigo.

Promova a discussão dando a sua opinião